Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.

Opinião 6 min para ler 20 Comentários

A inovação foi sacrificada em nome do lucro

"Se é sempre necessário dizer a verdade aos clientes, não há negócio possível", disse o dramaturgo francês Marcel Pagnol. Há muito a ser dito sobre essa frase atemporal, mas é claro que faz muito sentido quando aplicada ao campo da tecnologia. Se disséssemos aos usuários que a grande maioria das inovações que apresentamos como extraordinárias, na verdade, são inúteis, até mesmo risíveis, eles ainda estariam dispostos a gastar seu dinheiro de qualquer jeito?

Evolução

Esse é um assunto amplo, que pode ser abordado de várias maneiras e, ainda assim, não saberemos a resposta correta. O que é certo, no entanto, é a falta de grandes inovações nesse mercado que tanto amamos. Houve um tempo em que o objetivo era surpreender os usuários com novos recursos – coisas úteis e práticas. Hoje, encontramos uma série de características inovadoras, na maioria das vezes "emprestadas" de modelos concorrentes.

Vamos usar smartphones Android ou iOS como exemplo: o que podemos fazer hoje em nossos smartphones que já não podíamos fazer em um passado recente? É claro que tudo é mais rápido graças a componentes melhores – vimos uma evolução em termos de facilidade de uso e até de segurança.

Porém, em termos de inovação real, não há nada de novo. 5G? Ele é voltado para o futuro dos dispositivos conectados e não para o futuro dos smartphones. Inteligência artificial? A mesma coisa, com exceção dos desenvolvimentos da fotografia AI que têm seus benefícios.

AndroidPIT Smartphone Overheating 2592
Uma bateria com vários dias (até semanas) de autonomia, isso sim seria uma grande inovação / AndroidPIT

O desbloqueio do seu dispositivo evoluiu de usar um código simples para leitores de impressões digitais e reconhecimento facial. Economizamos dois segundos quando destravamos nosso dispositivo, o que é um grande negócio, mas é fato que em muitos casos a segurança é aumentada, embora isso seja discutível.

Se não podemos falar sobre inovação real, é fato também que as câmeras de smartphone evoluíram em alguns aspectos e agora produzem ótimos resultados (geralmente apenas em flagships, é claro). Uma inovação real que estamos vendo acontecer há alguns anos é o sistema de pagamento online: uma inovação que está diretamente ligada ao comércio e negócios, mas que ainda engatinha no Brasil.

...Inovação...

Em geral, é disso que se trata: comércio. O objetivo é comercial, de uma forma ou de outra. Seja uma "novidade" tecnológica para motivar uma compra ou um truque para torná-la mais rápida, voltamos ao mesmo ponto. Ter evoluções ao invés de inovações está começando a se tornar um problema: se tivermos que mexer no bolso, queremos ver revoluções e não smartphones que tenham mais RAM ou processadores tão poderosos que não saibamos o que fazer com eles.

Dq3MOgcVsAA2a94.jpg large
Depois de tantos anos de espera, finalmente vemos a chegada de smartphones dobráveis / Royole

Enquanto fazia algumas pesquisas no site do AndroidPIT, descobri um artigo publicado por um ex-editor em 2011. São 5 inovações, consideradas na época como futuristas. É importante notar que demorou até 2018 para vermos um projeto concreto de uma tela dobrável – uma inovação que nos foi prometida por muitos anos, e graças a Royole e à Samsung, se torna real.

Esta é uma inovação interessante (contanto que seja prática e funcional e não uma inovação meia boca que nem possa ser carregada no seu bolso de tão grossa): essa tela idealmente tornaria possível transportar facilmente um dispositivo com uma tela grande e usá-lo em movimento.

Outra inovação sedutora que desperta rumores todos os anos: uma bateria verdadeiramente duradoura. A autonomia ainda é um dos principais problemas dos smartphones (se não o principal). Usuários ingênuos como nós podem pensar que seu desenvolvimento deve ser uma prioridade, mas muitos outros estão dispostos a desembolsar 6 mil reais por um smartphone com pequenas melhorias, como uma câmera melhor, mais 1 GB de RAM, etc., então por que complicar a vida deles?

...Alienação!

É aqui que reside parte do problema. Enquanto houver demanda para esse tipo de oferta, haverá oferta. É óbvio que a verdadeira inovação exige muito esforço, mas ver tantos fabricantes nos mostrando evoluções simples ou mudanças geralmente inúteis sob o termo "inovação" está começando a prejudicar nossos olhos.

Mudando materiais, adicionando efeitos de luz nas traseiras dos dispositivos, colocando mais RAM ou processamento, propondo diferentes maneiras de fazer as coisas que já existem... Existem muitas maneiras de se esconder atrás do "progresso tecnológico".

AndroidPIT wearables First aid
É o mercado de tecnologia que está irritando todos nós, não as tecnologias em si! / © AndroidPIT

Quem é o culpado? Fabricantes, porque eles se aproveitam da situação? Consumidores, porque eles são manipulados e pedem mais? É um círculo vicioso, mas quem se importa? A lavagem cerebral através de campanhas publicitárias de todos os tipos garante que a situação não mude, e a forma como as marcas alienam seus usuários (que muitas vezes permitem isso) garante que eles se identifiquem com uma marca e não mais com um aparelho ou com uma tecnologia.

Sem ir muito longe no assunto (a ajuda de um sociólogo seria necessária nesse momento), as pessoas já não parecem ter qualquer esperança e correm para as profundezas das armadilhas de marketing. As empresas, por outro lado, obviamente estão esfregando as mãos (entre os discursos sobre o bem-estar digital), já que podem maximizar seus lucros sem precisar serem muito criativos. As inovações são mínimas e os preços estão em alta, mas os smartphones a preços altos estão vendendo bem. Isso é mesmo um problema?

Certamente, parece que a tendência geral entre os consumidores é favorecer marcas que oferecem preços mais baixos (Xiaomi, OPPO...), em vez de marcas tradicionais que estão mergulhando de cabeça em uma estratégia de luxo/high-end, um fato confirmado por um estudo recente (que indica um declínio geral nas vendas de smartphones ao longo do ano).

Fabricantes, se vocês quiserem mudar essa tendência, terão que colocar a tecnologia de volta no centro dos smartphones e usar palavras apenas quando vocês realmente puderem dizê-las: o que você chama atualmente de inovação está, na verdade, longe disso.

O que você acha? Ainda há esperança de inovação no mercado de smartphones?

Os comentários favoritos dos leitores

  • Jonscravit há 3 semanas

    As "Marca boa" estão sacaneando consumidor e piorando aparelhos(ex: atualiza e fica lento e gastão) e subindo preços e mudando quase nada(Samsung e Apple com seus top)
    mas como o "malvado, ilumintate e 171" google deu android aberto a todos, empresas chinesas que estão inovando de verdade.. metem mais memoria RAM, desgin locos, algoritimos de camera e bateria novos etc e china esta gastando bilhões em nano tubos de carbono e grafeno para que suas empresas tenham vantagens, ja estão trabalhando em tela, bateria e chip de grafeno.. estão levando corrida da inovação a serio..
    Samsung S10 que esta vazando ta mais para copia de OPPO X e de VIVO...
    Viva a liberdade do android e concorrencia

  • Jairo rios há 3 semanas

    Acredito que o autor do post está confundindo evolução com inovação , a evolução está ocorrendo de forma natural devido forte concorrência entre as montadoras trazendo consigo a inovação seja na IA para as câmeras , fingerprint scaner abaixo da tela , efeito bouquet em gadgets com somente 1 câmera traseira/dianteira e por aí vai ,até o parâmetro "baixa" autonomia de bateria sendo atenuado pelo Quick charger, considero os gadgets dobráveis também como evolução e não inovação .
    Inovação seria algo que realmente substituísse os smartphones.

20 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Gostei da matéria, entendi a lógica, mas... talvez a vida seja apenas isso mesmo. As TVs precisaram de 30 anos para mostrarem uma verdadeira inovação (as smart TVs). Os notebooks e PCs não evoluem há mais de 7 ou 8 anos. Chegou a hora dos smartphones atingirem seu limite de desenvolvimento. Tela dobrável talvez seja a fronteira final, porém, não é algo indispensável (sobretudo pra mim que adoro tablets e não me importo com o tamanho). Bateria que dure 5 dias? Isso seria interessante... mas meu Moto e5 Plus já dura 3 dias. Evolução será a única possibilidade agora. Sem revoluções. Acontece em qualquer área. Talvez tenhamos que esperar 10 anos pra ver uma nova revolução nessa área. Algo que eu gostaria de ver? Smartphones que pudessem funcionar como PCs conectados a um monitor e rodando (por exemplo) linux ou qualquer outra coisa.


  • Otima matéria. Até acho, e já disse isso, que estamos chegando num ponto onde não há muito o que se fazer além de melhorar o que já está aí.

    No entanto é fato que, hoje o que estão oferecendo é mais perfumaria que evoluções de fato.
    Já vimos que uma boa câmera única faz um serviço melhor que uma camera tripla ruim... Melhorar a camera?nao. Coloca mais um par ou dois e vende pelo dobro do preço.
    Já vimos que 4 gb de ram resolve os problemas, 6 dá e sobra, 8 já é pra ostentar e já temos aparelhos com 10GB!

    Processadores que nao usam nunca a 5ª marcha pois quase ninguem exige tudo isso... Melhorar então o software para que aparelhos trabalhem melhor e consumam mais conteudo por consequencia? Nao. Mudam o nome do precessador, aumentam o clock em 100 mhz e vende pelo dobro do preço.

    Mas o que é mesmo importante, como uma boa bateria, vem ficando pra trás.


  • Ótima matéria!
    Isso é reflexo da falta de amadurecimento da população, ovelhas no caminho do abate..
    Quando elas perceberem e aceitarem que, um telefone de 2 mil faz a mesma coisa que um de 5 mil e ainda mais para WhatsApp e Instagram, a coisa pode mudar, mas falta amadurecimento intelectual e social nas pessoas. O status ainda está liderando a cabeça dessas ovelhas pela Apple, Sammy, Sony..


  • Eu até escrevi mais abaixo comentando sobre isso, fico estupefato como o brasileiro de um modo geral compra tudo sem se importar com o amanhã. Minha prima que é professora, ganha por volta de R$2.000,00 por mês, se endividou para poder trocar o carro, vai pagar uma prestação de R$750,00 por mês, achei bastante alta. Depois ela se ligou que fez um mal negócio.

    Até falei a ela, se fosse a metade da prestação, seria muito mais viável, mas a entrada foi baixa, ai o valor subiu. Eu jamais faria um negócio desse, carro só compro a vista ou então, faço uma parcela bem baixa, ai fico tranquilo. Isso acontece muito, devido a falta de educação financeira. Acho incrível também como a maioria das pessoas tem medo ou vergonha de pechinchar, pedir desconto. Eu, quando vou comprar qualquer bem, vou lá e exijo desconto, geralmente consigo, mas só compro com a minha consciência e necessidade, por isso nunca passei por nenhum problema financeiro graças a Deus, embora já tive que apertar o cinto, mas cabe a cada um de nós, ter a consciência das coisas.

    Se cada pessoa souber e entender a sua realidade, souber se programar, mesmo com dificuldade, ela consegue, basta saber controlar as despesas, souber cortar onde deve, poupar, esse é o segredo. Tem pessoas que pagam pós pago celular de R$100,00, sem nenhuma necessidade, só para dizer que tem, esse dinheiro, poderia ser investido em outras áreas. Por isso endosso sempre, o brasileiro precisa entender e ser mais racional.


  • Enquanto houver pessoas que comprem artigos por status, não haverá inovação... Não tenho nada com quem compra um Iphone por mais de 5 mil reais, porem grande parte desses consumidores são de baixa renda, se endividam para comprar... e se tornam reféns dessas grandes empresas, para viver um padrão de vida que não tem, então as grandes empresas podem fazer o que bem entendem com seus produtos, pois o consumidor sempre estará lá! Se torne apenas massa de manobra!


  • Infelizmente a culpa é exclusivamente da massa leiga que é totalmente manipulável. Faço essa afirmação pra tudo!!! Não apenas no setor de smartphones.


    • O negócio é mais complicado do que simplesmente atribuir a culpa em um lado.
      No final, empresas e consumidores são todos atores do sistema.
      É a questão da oferta e demanda, essencial no sistema capitalista.
      Os consumidores querem algo melhor, embora a maioria não sabe definir com clareza esse "melhor".
      As empresas buscam oferecer algo melhor, mesmo que esse melhor não seja tão melhor assim.

      E tem o detalhe de que a indústria já chegou num limite quanto a ideias, o que é um dos motivos de se ter mais evolução do que inovação no mercado mobile.

      No final das contas, é tudo pra engrenagem do capitalismo continuar girando, mesmo.


  • É o que se espera, inovação, porém, o que se tem é fabricantes que atualizam seus dispositivos, no máximo duas vezes e acabou, depois só comprando outro. Um smartphone que deveria durar três ou mais anos, ficam desatualizados cedo, e o que é pior, começam a perder desempenho, o que é um absurdo.


  • Post do ano, meus sinceros parabéns.


  • Não se pode negar que Mr.Jobs criou a maior evolução para celulares mas também criou o que ele mesmo chamava de "campo de distorção da realidade", onde você comprava um produto sem muitas coisas que já existiam em outros e se achava o máximo! Tanto a inovação como o campo de distorção morreram com ele. As empresas de hoje, principalmente a da maçã, vivem porque acreditam vender status e não tecnologia. Uma evolução real, como carregar a bateria de forma "wi-fi" equipamentos inovadores (google glass, por exemplo) são deixados de lado ou fracassam simplesmente porque não vendem status.


  • Acredito que esta equivocado, houve sim muita inovação, porém em forma de apps e sistema. Os aparelhos estão evoluindo e agora os top já vem npu, existem aparelhos com tela 3d, vr, além disso existem os assistentes.


  • As "Marca boa" estão sacaneando consumidor e piorando aparelhos(ex: atualiza e fica lento e gastão) e subindo preços e mudando quase nada(Samsung e Apple com seus top)
    mas como o "malvado, ilumintate e 171" google deu android aberto a todos, empresas chinesas que estão inovando de verdade.. metem mais memoria RAM, desgin locos, algoritimos de camera e bateria novos etc e china esta gastando bilhões em nano tubos de carbono e grafeno para que suas empresas tenham vantagens, ja estão trabalhando em tela, bateria e chip de grafeno.. estão levando corrida da inovação a serio..
    Samsung S10 que esta vazando ta mais para copia de OPPO X e de VIVO...
    Viva a liberdade do android e concorrencia


  • O redator que é francês está certo, a muito tempo eu mesmo comento isso aqui, há anos, não há nenhuma novidade!

    Não existe grandes novidades, existe algumas melhorias, aumento de tela desproporcional, um smartphone virando tablet. Baterias que raramente aumentam a amperagem, apenas uma melhora nos processadores, memórias e câmeras duplas, triplas, sendo vendidas como o supra sumo da tecnologia e muitas pessoas acreditando que isso é inovação, e quem entende minimamente de tecnologia, sabe que não é.

    Isso ai são reestilizações que muitas montadoras automobilísticas fazem ano após ano.

    Só muda realmente, quando muda o design do carro, ai vem motorização nova, acrescenta uma mudança de fato, tirando isso, é só para atrair um público leigo que adora comprar algo novo, como se fosse de fato. Pelo menos nesse mundo mobile, até agora, o que as empresas tem feito? Nada!

    As empresas lançam pequenas modificações, o público vai e compra, depois se decepciona, espera o novo lançamento, dança de novo. Nesse mundo tecnológico, requer realmente alguns anos para conseguir trazer grandes novidades. A indústria automobilística, evoluiu bastante, mas ficou um longo período saturada. Quem entende um pouco de carros, deve saber que os novos motores turbo são bem econômicos, isso foi sem dúvida, uma grande evolução, agora resta saber, quando existirá no mundo mobile.


  • Excelente matéria parabéns eu estou forte aki com meu mi mix 2


  • Ótimo artigo, diria o melhor dos últimos meses por aqui.
    Falou exatamente o que deve ser dito de um jeito coeso e descomplicado.
    Os smartphones chegaram no limite e quase tudo que foi lançado ultimamente é mais do mesmo.
    A disputa das empresas para se manter no topo se junta a disputa das pessoas que querem ter o aparelho mais novo, pelo simples fato de poder dizer que o tem e não mais pelo o que o aparelho pode trazer de benefício.
    Uma coisa alimenta a outra e vira esse ciclo repetitivo.


  • Acredito que o autor do post está confundindo evolução com inovação , a evolução está ocorrendo de forma natural devido forte concorrência entre as montadoras trazendo consigo a inovação seja na IA para as câmeras , fingerprint scaner abaixo da tela , efeito bouquet em gadgets com somente 1 câmera traseira/dianteira e por aí vai ,até o parâmetro "baixa" autonomia de bateria sendo atenuado pelo Quick charger, considero os gadgets dobráveis também como evolução e não inovação .
    Inovação seria algo que realmente substituísse os smartphones.


    • E inovar, em tempos onde o que já é oferecido já é o suficiente para a maioria das pessoas, é mais desafiador do que parece.
      Era fácil inovar quando ainda tinha muito o que se explorar para tornar os smartphones cada vez mais úteis.
      Mas hoje, muito do que é essencial já está aí.
      A questão é descobrir se há mais coisas essenciais, que ainda não existem nos smartphones.
      Enquanto não encontram a resposta, o mercado acaba apostando no supérfluo, porque o capitalismo não pode parar.
      Hoje o "tentativa e erro" está mais evidente do que na época em que se sabia o que precisava inovar.


  • Mas já há um indício de decadência sob essas empresas que só querem lucrar, como por exemplo a Apple que pela primeira vez na história está diminuindo a produção de seus principais produtos. Eu sei que isso não vai falir e talvez não tenha nenhum impacto financeiro, mas é um alerta. Precisamos de inovações realmente úteis e que façam valer a pena em trocar nosso smartphone atual para o próximo. Telas, processador, memória RAM ou até mesmo design não são realmente importantes, pelo menos não a curto prazo (anual).

Artigos recomendados