Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.
APEX no Android Q: entenda porque isso pode mudar tudo
3 min para ler 26 Comentários

APEX no Android Q: entenda porque isso pode mudar tudo

Já falamos aqui diversas vezes, e muitos de vocês sabem. Um dos principais problemas do Android é a fragmentação do sistema. Além do Projeto Treble, o Google pode estar trabalhando em mais soluções para evitar isso, e uma delas é a implementação do APEX.

Todo ano, o Google lança uma nova versão do robozinho, e as fabricantes têm o dever de levar a atualização a seus aparelhos. Só que muitos não o fazem, e assim cada nova versão demora mais e mais para estar presente em uma boa porcentagem dos aparelhos ativos.

Para dirimir um pouco esse problema, o Google trouxe o Projeto Treble, que faz com que seja possível executar algumas melhorias no sistema sem depender das fabricantes e operadoras. Como o Android AOSP ou Stock (ou até puro, como alguns dizem) é muito simples, as empresas colocam mais coisas em cima, e isso faz com que os updates tenham gargalos cada vez maiores.

google android update flowchart
Os muitos caminhos dentro do processo atualização acabam por prejudicar a experiência dos usuários / © Google

Seguindo mais ou menos nesse caminho do Treble (sobre o qual você pode ler mais no link acima), o Google pode estar trazendo ao Android mais um recurso que a ajudará a manter alguns setores do sistema em dia. Seu nome é APEX, e esse não é um termo totalmente desconhecido.

APEX é um ecossistema que já é usado em distribuições GNU/Linux e, como sabemos o Android compartilha o mesmo kernel (núcleo) desses sistemas operacionais, o próprio Linux. Porém, apesar disso, não está sendo fácil para a equipe de desenvolvedores do Android implementar o APEX no Android.

Primeiro, vamos saber que o Android é um sistema, assim como Ubuntu, Debian, macOS e outros, formado por bibliotecas. Bibliotecas são códigos pré-compilados que podem ser usados ​​em outros programas. Esse ecossistema funciona atualizando pacotes direcionados para bibliotecas específicas do Linux, ou seja, não é necessário atualizar todo o sistema para deixar algo em dia.

google android project treble explained google 01
Esse é o Treble; APEX deve ser assim, só que para bibliotecas / © Google

Bibliotecas são úteis para deixar os aplicativos que você instala no seu smartphone mais leves e mais seguros, pois assim cada APK não precisa conter dentro de si todas as bibliotecas de que necessita para funcionar, e não se corre o risco de que bibliotecas iguais ocupem mais espaço e cheguem datadas ao seu aparelho, comprometendo alguma função ou segurança.

Mas, se nem o próprio Google atualiza as bibliotecas com frequência, fica quase que a mesma coisa. E o Google, como já dito, não consegue atualizar tudo por si só pois depende das fabricantes e operadoras para adaptar as atualizações às suas interfaces e aparelhos.

debian
Debian é uma distro do Linux que usa o APEX / © debian.org

O Projeto Treble trouxe uma liberdade maior para que o Google implemente mudanças nos frameworks do sistema dependendo menos dos outros componentes desse jogo, e o APEX deve melhorar isso no que diz respeito às bibliotecas. Você pode encontrar muitas bibliotecas do sistema pré-instaladas nos diretórios /system/lib e /system/lib64.

Como distribuições do Linux já usam o APEX, suas bibliotecas podem ser atualizadas individualmente, sem que seja preciso esperar algum grande update, como os que chegam ao Android via OTA. Isso também ajuda desenvolvedores de aplicativos a aproveitar bibliotecas atualizadas, usando sempre recursos mais novos, mais funcionais e mais seguros.

Você acha que isso pode funcionar? O que tem achado do Treble?

Facebook Twitter 29 Compartilhado

Os comentários favoritos dos leitores

  • Gutemberg Ferreira há 2 meses

    Fiquei impressionado com o nível de detalhamento da matéria. Fazia tempo que não lia algo a respeito de celular na internet com esse nível de profundidade. Parabéns !

  • Soterio Salles há 2 meses

    Não acredito que os problemas de fragmentação sejam resolvidos tão rápido mas qualquer solução que ajude a corrigir é bem vinda.

  • Stella Dauer
    • Admin
    • Equipe
    há 2 meses

    Primeiro, não é preciso usar palavras de baixo calão aqui, na próxima pode ser advertido. Segundo, pesquisei em diversos sites antes de escrever e todos citam o Linux como sistema operacional (ou operativo), até mesmo o site da Linux Foundation.

    Então, talvez, ao invés de chegar xingando, você poderia explicar o porquê da crítica. Obrigada

26 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Pessoal é muito pessimista, tu é doido...
    Dá vergonha as vezes. Pq aqui agora neste site, estou com várias guias de materias abertas, entre elas uma ótima matéria, mostrando o tempo de atualização diminuindo do Android 7 para o 9.
    Tipo, eram em media 192 dias e agora 118. Cara antes era 6 meses e 12 dias. Caiu para 3 meses e 28. É muito consideravel pow!! Tudo isso por causa do treble.
    Seguindo a queda de 38% para os próximos 2 anos, teremos para o android 11 média de 45 dias. Caraca... 45 dias??? Tá bom não?
    E vcs acham que as fabricantes sendo obrigadas deste ano passado a vir com treble, n fará diferença??
    Se o APEX entrar em operação no 9 ou 10, já fará diferença maior ainda.


    POXA, o povo só vê desgraça... Se lascar pra lá.


  • Interessante vai ser se com essa história do APEX possibilitar que, além do Android não precisar depender mais das OEMs no processo de atualização, também não precisar da intromissão das operadoras, e quem sabe até eliminar essa história de firmwares de operadoras, já que teoricamente bibliotecas de uma operadora específica (que pode envolver até mesmo os próprios APKs, dependendo de como isso vai funcionar no Android) poderiam ser pré-carregadas ou pré-baixadas (o consentimento ou não do usuário é outra história) dependendo do IMEI do aparelho ou algo assim.

    É esperar pra ver no que tudo isso vai dar.


  • Fiquei impressionado com o nível de detalhamento da matéria. Fazia tempo que não lia algo a respeito de celular na internet com esse nível de profundidade. Parabéns !


  • Tudo dependerá da boa vontade das fabricantes , ou seja , nada mudará


  • Não acredito que os problemas de fragmentação sejam resolvidos tão rápido mas qualquer solução que ajude a corrigir é bem vinda.


    • O próprio texto deixa bem claro que implementar esse sistema APEX no Android não vem sendo uma tarefa fácil, ou cujo resultados virão imediatamente após o seu lançamento.
      Ao menos, é algo que supostamente já está em andamento.


  • Se conseguissem atualizar os emojis já era um começo, pleno 2019 e ainda somos reféns dos quadradinhos porque as versões do Android são defasadas.


    • Estranho emojis ainda serem um problema nas versões mais recentes do Android.
      Mas provavelmente a biblioteca relacionada a eles pode eventualmente ser beneficiada com isso, sim.


      • Não digo nas versões mais recentes do Android, falo no meu caso por exemplo onde a Xiaomi atualiza a MIUI mas não a versão base do Android, não consigo ver alguns emojis principalmente por causa dos iPhones que estão sempre atualizados com emojis novos.


  • Eu acho que não teremos tão cedo uma solução apara fragmentação, afinal acho que a grande questão é que custa muito dinheiro manter um sistema atualizado. A solução pra quem se incomoda com isso? OnePlus, Pixel ou projeto Android One.


    • Quando a solução só depende da Google, o negócio é encaminhado mais facilmente.
      As coisas não são solucionadas logo justamente porque há obstáculos no processo.


  • 2019 e ainda não temos uma solução para os problemas de atualização!


  • E mais uma vez o Android pit chamou o Linux de sistema operacional....... Pqp


    • ??????


    • Stella Dauer
      • Admin
      • Equipe
      há 2 meses Link para o comentário

      Primeiro, não é preciso usar palavras de baixo calão aqui, na próxima pode ser advertido. Segundo, pesquisei em diversos sites antes de escrever e todos citam o Linux como sistema operacional (ou operativo), até mesmo o site da Linux Foundation.

      Então, talvez, ao invés de chegar xingando, você poderia explicar o porquê da crítica. Obrigada


      • Stella, concordo totalmente que ele portou-se mal, porém também não está incorreto na indagação (apesar de a ter feito da pior forma possível). O Linux é um Kernel, apenas uma parte do que PODE vir a ser um sistema operacional, no site da Linux Foundation ele é citado como o software de código aberto de maior sucesso da história e pontuado como Kernel

        Pode ser que tenhas visto algum sistema que usa o Kernel Linux e entendeu errado, mas o Linux não é sistema operacional, apenas Kernel. Assim como o NT é kernel do Windows, mas o sistema operacional é o Windows.

        Existe uma grande confusão com isso, Android é o sistema operacional, Linux é o núcleo (Kernel). Ubuntu é o sistema operacional, Linux é o núcleo (sendo inclusive trocar o kernel Linux por outros (alguns projetos fazem essa modificação no Ubuntu, por exemplo).

Mostrar todos os comentários