Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.

2 min para ler 38 Comentários

Bluetooth: há 20 anos apresentando falhas

Seja com desconexão repentina, com gasto excessivo de bateria ou com interferência em outros dispositivos, você já deve ter enfrentado problemas enquanto utilizava o Bluetooth. Realmente, eles são muito recorrentes, mesmo a tecnologia já existindo há mais de 20 anos.

Essas questões técnicas, porém, se tornam mais preocupantes. Isso porque estamos cada vez mais dependentes do Bluetooth. Os celulares que dispensam a entrada de fone de ouvido, por exemplo, sugerem que usemos fones conectados via Bluetooth.

Mas por que o sistema é tão falho?

A frequência utilizada para que o Bluetooth funcione é de 2,4 gigahertz. Ela fica dentro de um espectro que se encontram as frequências de itens como babá eletrônica, luzes fluorescentes e microondas.

Todas as frequências que se encontram nesse espectro não precisam de licença da FCC (o órgão regulador norte-americano) para funcionarem, ou seja, as fabricantes tendem a optar por aparelhos que utilizem de frequências próximas às do Bluetooth.

E quanto mais dispositivos usando a mesma frequência, maior a possibilidade de interferência: por isso esse problema é recorrente no Bluetooth. Além disso, há três tipos de classificações para transferências via Bluetooth, relacionadas com a distância alcançada.

AndroidPIT Samsung Galaxy S8 BLUETOOTH 5
O 5.0 não mudou muita coisa / © AndroidPIT

A classe que alcança distâncias mais longas é usada sobretudo para fins industriais. Já o Bluetooth que usamos em nossos dispositivos diários são das classes mais baixas, permitindo distâncias menores. Isso explica as recorrentes quedas de conexão.

Por fim, tem a questão da velocidade. Para se ter uma base de comparação, enquanto dispositivos conectados via Wi-Fi podem transferir dados a uma velocidade de 250 megabytes por segundo, o mais recente Bluetooth faz a transferência de, no máximo, 25 megabytes por segundo.

O que pode ser feito para melhorar

Não há nada muito grande que possa ser feito para melhorar de vez a sua conexão Bluetooth. Algumas empresas, inclusive, já estão desenvolvendo suas próprias tecnologias que funcionam de forma similar, para não dependerem mais do Bluetooth. É o caso, por exemplo, dos chips W1 da Apple, que permitem a conexão entre AirPods e outros dispositivos.

Para resolver seu problema momentâneo, porém, algumas dicas podem ajudar. Manter os dispositivos em conexão o mais próximos possível é uma delas. Também vale a pena manter os aparelhos atualizados, assim como reiniciar suas conexões diariamente ou utilizar um dispositivo que amplifique o sinal Bluetooth.

Você utiliza bastante o Bluetooth do seu smartphone?

68 Compartilhado

Os comentários favoritos dos leitores

38 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Mostrar todos os comentários