Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.

6 min para ler 7 Comentários

Especial fabricantes que deixaram o Brasil: HTC (2012)

A HTC já foi uma marca conhecida entre os consumidores brasileiros, mas acabou encerrando suas atividades por aqui em meados de 2012. Porém, o que levou a marca taiwanesa a abandonar os negócios no país que é um dos que mais vendem smartphones no mundo? É isso que iremos rever no especial sobre a HTC no Brasil.

Com sede na cidade de Nova Taipé, em Taiwan, a HTC pode ser uma marca antiga para quem acompanha o mercado de smartphones há certo tempo, mas a empresa tem pouco mais de 20 anos de idade. Fundada com o objetivo de fabricar semicondutores, telas touchscreen, celulares e, mais tarde, smartphones, a empresa taiwanesa já esteve no top cinco das marcas que mais vendiam smartphones no Brasil.

Acontece que a HTC deixou o país em um momento nada glamuroso para a empresa, com queda de 57.8% na receita global e com menos de 0,11% de participação no mercado brasileiro, atrás de gigantes como Samsung, LG, Sony Ericsson e Nokia. O mercado era outro em 2012, em vários sentidos, pois tínhamos mais sistemas operacionais circulando entre as prateleiras do varejo, como Symbian, Android, iOS, BlackBerry e Windows Phone (além de Windows Mobile).

A HTC era uma marca que vendida produtos com Android em vários mercados, mas devido a uma parceria exclusiva com a Microsoft, os aparelhos que a empresa colocava à venda por aqui costumavam rodar com Windows Phone e Mobile, além de terem hardware intermediário.

HTC Ultimate, o último

Foi com este sistema, inclusive, que a marca fez seu último lançamento tupiniquim, com o HTC Ultimate. Este dispositivo era considerado bastante caro para época, custando R$ 1.800, e foi o responsável pela estreia comercial do Windows 7.5 Mango, considerada a versão que separava o antigo Windows Mobile da então nova plataforma que prometia fazer frente ao iOS e Android.

ultimate0007
HTC Ultimate / © TechTudo

Apesar do papel prestigioso, o HTC Ultimate foi um verdadeiro fiasco em vendas, principalmente pelo fato de o aparelho custar quase a mesma coisa que um Galaxy S2 (R$ 1.999), um aparelho mais completo e que vinha com ecossistema melhor de aplicativos e serviços. O fato de a Microsoft não atualizá-lo para o Windows Phone 8 também foi algo que marcou negativamente a reputação do aparelho, visto que essa informação foi divulgada pouco tempo após seu lançamento.

A HTC chegou no Brasil em 2007 com investimentos locais que somavam 10 milhões de dólares. O objetivo era fabricar os aparelhos no país, contando com alguns subsídios do governo na época. Os primeiros modelos nacionais ficaram prontos em 2008, e à disposição dos usuários haviam 10 modelos da marca rodando com Windows Mobile, sendo o primogênito deles o HTC Touch, o estreante que chegou por importação e depois passou a ser produzido na Zona Franca de Manaus.

A saída da HTC do Brasil não aconteceu de uma hora para outra, pois a empresa vinha dando sinais claros de que estava passando por problemas globalmente. Em 2010 as produções brasileiras foram encerradas, a fábrica vendida e os investimentos em marketing suspensos. Para você ter uma ideia, a divulgação do HTC Ultimate foi mínima, sendo a maior propagadora do lançamento na época a operadora Vivo, que tentou vendê-lo com descontos  exclusivos para clientes no pós-pago, também sem muito sucesso. 

AndroidPIT htc u12 plus 7989
HTC U12 Plus é um dos últimos lançamentos da marca / © AndroidPIT by Irina Efremova

Somente em 2011, a HTC oscilou entre 0,11% e 0,3% no Brasil. O suporte pós-venda dos produtos lançados se mantiveram por mais alguns anos, enquanto as vendas da marca ao redor do mundo amargavam. Vale aqui a menção honrosa à Google, que foi a empresa que manteve a HTC em evidência em seus piores anos graças a uma parceria na construção de smartphones e tablets da série Nexus e Pixel. Em 2017, a Google comprou a fábrica de smartphones da HTC por 1,1 bilhão de dólares.

Perdendo em casa

Fora do top 10 global de marcas que mais vendem smartphones desde 2016, a HTC ainda mantém parte de seu prestígio em seu país de origem. Em Taiwan, entre janeiro e outubro deste ano, a fabricante esteve presente em 7,3% dos aparelhos ativos por lá, ficando atrás apenas de Apple, Samsung e Oppo.

Apesar de ter sido passada por uma chinesa em casa, o maior problema da HTC hoje em dia á o avanço da Asus, que neste mesmo período esteve presente em 6,96% dos aparelhos ativos, segundo dados da StatCounter, que mede acessos a internet por navegadores instalados em smartphones. 

Outro porém é em relação a Oppo, que se continuar avançando conforme a tendência do mercado global, será questão de tempo para que as duas se separem ainda mais em números absolutos de vendas. A rival, neste cenário, será a Asus.

htconesbrasil
Top em 2012, HTC One S quase foi lançado no Brasil / © AndroidPIT

A HTC ainda é conhecida pela qualidade de seus produtos e pelo preço pouco competitivo que pratica nos mercados em que ainda está presente (uma espécie de Sony, digamos). O Windows Phone ficou no passado, e hoje a empresa produz apenas aparelhos com sistema Android.

As séries One M e Sense foram responsáveis por desencadear uma série de tecnologias exclusivas ao longo dos últimos anos, sendo o Sense Edge uma das últimas inovações da marca, permitindo que o usuário possa interagir com os sistema apertando as laterais do dispositivo.

Foi por pouco

Antes de sair do Brasil, a HTC homologou junto à Anatel os modelos One S (imagem acima) e One X, que nunca foram lançados no país. Ambos os modelos haviam sido apresentados no MWC 2012, em Barcelona, e eram as opções mais avançadas que a empresa tinha rodando Android. Os usuários brasileiros teriam a chance de experimentar, pela primeira vez, um topo de linha da marca taiwanesa com o sistema da Google, o que não aconteceu.

A empresa saiu de fininho e, desde então, foi só "ladeira abaixo'' em vendas e lucros. Não é possível dizer que isso foi uma espécie de praga brasileira, até porque outra fabricante precisou deixar o país às pressas e só cresceu desde então. A fabricante em questão é a Xiaomi, que será o tema do nosso próximo especial.

7 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

Artigos recomendados