Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.
A Oi pediu recuperação judicial. Como isso afeta seus usuários?
4 min para ler 114 Comentários

A Oi pediu recuperação judicial. Como isso afeta seus usuários?

Se você deu aquela olhada rápida nos sites de notícia no final da última segunda-feira (20/6), deve saber que a Oi entrou com um pedido de recuperação judicial no valor de R$ 65,4 bilhões. Isso significa que a empresa iniciará uma nova rodada de negociações com seus credores, mas agora protegida judicialmente contra falência. Em suma: a operadora está bem mal das pernas e tenta sair dessa. Mas como isso afetará seus usuários?

Os clientes Oi não ficarão sem serviço

Na nota oficial emitida pela Oi, a empresa garante que manterá normalmente suas atividades e que seus clientes não serão afetados com a interrupção de serviços, seja na telefonia móvel ou fixa, seja na internet banda larga.

Além disso, uma interrupção é bem pouco provável por outro motivo: a Oi arranjaria um sério imbróglio jurídico tanto com a ANATEL – com quem a operadora tem diversos compromissos assumidos - quanto com diversos órgãos de defesa do consumidor, já que a lei exige que as empresas que entram em recuperação judicial devem manter seus serviços em funcionamento. 

O Brasil corre o risco de ter uma concentração de mercado no setor de telecomunicações
AndroidPIT OI operator 1561
Usuários da Oi não devem ficar sem os serviços da operadora / © ANDROIDPIT

Mas, pelo menos, por enquanto, o usuário da Oi pode ficar tranquilo. Mas ele deve denunciar a operadora à Anatel caso note queda de qualidade nos serviços prestados por ela. 

A Oi corre o risco de fechar?

Maior operadora de telefonia fixa e quarta maior na telefonia móvel, a OI é o que chamamos de “grande demais para quebrar”. Ou seja, a empresa recebeu aportes bilionários de diversas instituições financeiras, incluindo bancos públicos, como o BNDES. Logo, não interessa a ninguém perder o que foi investido na operadora em uma eventual falência.

Nesse caso, temos dois cenários: o primeiro é a operadora conseguir renegociar seus débitos com os credores e manter seus serviços funcionando normalmente. Lógico que isso implicaria em uma reestruturação total da empresa e, talvez, até a interrupção de investimentos em expansão. Mas é bastante provável que a companhia diminuirá de tamanho para que consiga honrar seus compromissos. 

ANATELSEDE
A Anatel se comprometeu a exigir que a Oi cumpra seus compromissos com os usuários / © ANATEL

Um sinal de que esse cenário é o mais provável de acontecer é que as ações da OI voltaram a ser negociadas nesta terça-feira (21/6) na bolsa de valores brasileira (BM&FBovespa). No entanto, os papeis sofreram abriram em queda de mais de 30% no início do pregão.  

O segundo cenário é a compra da OI por parte da concorrência. Ainda é cedo para dizer sob quais condições isso se daria, mas é possível que Vivo e Claro foquem nos ativos da operadora – sua infraestrutura (antenas, backbones, etc) e base de clientes – e negociem para assumir os passivos (dívidas) restantes da empresa.

Concentração de mercado à vista?

Mas vocês notaram que eu não citei a TIM como uma das possíveis compradoras, certo? Isso porque a operadora em questão, há tempos, é alvo de rumores de que a Vivo e a Claro (e, até pouco tempo, a Oi) podem compra-la, algo que, pelo menos até o momento, não aconteceu. E agora, com esse pedido de recuperação judicial da Oi isso fica mais difícil. 

Isso porque o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), órgão federal que, entre outras funções, regula e fiscaliza fusões de empresas no Brasil, deve barrar que Oi e TIM sejam compradas pela concorrência, sob a alegação de que isso geraria uma concentração de mercado, com Vivo e Claro monopolizando o setor de telecomunicações, praticamente sem competição. 

AndroidPIT BR operators 2 1561
Oi e TIM estariam na mira de compra da Claro e da Vivo. Mas as fusões podem ser barradas / © ANDROIDPIT

Ou seja, pelo menos nos próximos meses, a Oi deve continuar operando normalmente. No entanto, caso o processo de recuperação judicial não seja bem sucedido, é possível que a operadora sofra intervenção de órgãos do governo federal, que assumirão sua administração. O risco maior é ter de ver a injeção de dinheiro público para salvar a empresa, sem ter o retorno. 

Em resumo: vamos acompanhar a situação com a devida atenção nos próximos meses. 

E o que você acha da situação da Oi?

Os comentários favoritos dos leitores

  • Deivis Schuman
    • Mod
    21/06/2016

    A cada dia que passa só vemos noticia ruim referente a economia do país!
    E Sony encerrando atividades aqui no Brasil, Oi falindo e etc.
    E o grande prejudicado nisso tudo somos nós!

  •   100
    Conta desativada 21/06/2016

    Quero é ver o governo injetar dinheiro público para salvar a população brasileira da falência.

114 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.