Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.

2 min para ler 26 Comentários

Procon quer explicação dos Correios por taxa cobrada a importados

No início da semana trouxemos a notícia de que os Correios começaram a cobrar a taxa de R$ 15 para qualquer produto importado. Até então essa taxa só era aplicada em cima de encomendas que foram tributadas pela Receita Federal. Em nota os Correios justificaram que essa expansão se deve ao elevado aumento de importação.

Sobre essa nova medida adotada pelos Correios, o Procon estadual do Rio de Janeiro abriu uma investigação esperando que a estatal brasileira se explique sobre essa nova taxa cobrada. Segundo o Procon, os Correios precisaram explicar a implantação da cobrança, a sua fundamentação legal, além de um esclarecimento sobre o que é o despacho postal e também apresentar uma tabela de custo que justifique o valor cobrado.

 A Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), também exigiu que o presidente da empresa, Carlos Roberto Fortner, de uma explicação sobre essa nova medida adotada pela estatal. O Procon deu um prazo de 15 dias para que o presidente se pronuncie e explique sobre essa tão polemica taxa. Já o Senacon convocou Carlos Roberto Fortner para se explicar sobre esse assunto, e até o momento o presidente da empresa não se pronunciou.

Fachada da Agencia dos Correios do B. Centro Coronel Fabriciano MG2
Agência dos correios / © Wikimedia Commons

Ao que parece, esse caso ainda vai render muita discussão, pois os consumidores vêm cada vez mais expressando seu descontentamento com a nova medida adota pelos Correios. As reclamações vêm crescendo principalmente nas redes sociais, principalmente depois que o presidente da estatal revelou que a cobrança renderá R$ 90 milhões ao mês para os cofres dos Correios.

E você, acha abusiva essa nova media adotada pelos Correios?

Via Extra

Os comentários favoritos dos leitores

  • Nelson Attila há 3 meses

    Se o governo brasileiro não cobrasse tantas taxas para os produtos fabricados aqui, não teria tantas importações. A fábrica Estrela preferiu ir para a China e vender no Brasil porque sai muito mais barato. Nossos políticos acatam o que os EUA mandam, e ficamos só exportando, a preço de banana, produtos que depois voltam por preços absurdos. O Brasil não pode ter uma fábrica brasileira de celulares e outros produtos eletrônicos, por ordem dos EUA e de outros acordos. Apesar de todo lucro que tem com os Correios os governantes querem mais, e ficam inventando lorotas, as mesma coisa que acontece com a energia que não sai mais da bandeira vermelha. Povo brasileiro não é um povo pacato e sim um povo metido a malandro que não passa de um otário.

  • @tuliorassis há 3 meses

    Na verdade, a estrela descobriu que fazer no Paraguai e ainda mais barato, pois tem Mercosul. a fabrica foi transferida em 2017 , e diversas outras empresas como a pernambucanas tem feito isso. E um jeitinho brasileiro porem em outro país ainda mais barato..

  • @tuliorassis há 3 meses

    Mas o monopólio do correios é so para cartas. A questão das encomendas é que o país e muito grande e diversas partes as transportadoras nao interessam pelos baixo CxB, estas regiões mesmo que queiramos serão somente atendidas por correios, ou pequenas transportadoras locais. Vide, que se comprar o envio pela DHL internacional, o tratamento é feito integralmente por ela em capitais, mas interior ela costuma enviar (internamente) por correios. INFELIZMENTE privatizar o correios, vai simplesmente acabar com o serviços em muitas regiões, pois nao haverá instituição privada que vá querer trabalhar em áreas de prejuízo, e hoje, usam as áreas de grande movimentação para custear a entrega em áreas de menor rentabilidade...

  • @tuliorassis há 3 meses

    Problema que a privatização essa taxa seria ainda maior, pois as compras chinesas nunca repassaram nenhuma taxa para os correios entregarem, como vem como cartas o correios era obrigado a entregar mesmo nao sendo carta. Ja uma empresa privada nunca teria entregado ate agora gratuitamente... infelizmente (ou felizmente) essa taxa que é alta, ainda é mais baixa que um frete de Belo Horizonte para Sao Paulo em uma modalidade PAC.

26 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Chega de pagar a conta pela incompetencia de administradores politicos e não tecnicos. Quebra do monopilio e privatização já.


  • Solução: vamos quebrar com os correios., Chega destes fdp entregando contas com atraso, destruindo e roubando mercadorias, inventando taxas absurdas para arrecadar mais para os políticos desviarem. Proponho: quanto custa para eles enviarem de volta para a china um produto que recusarmos o recebimento? Se milhares de pessoas, comprarem um item qualquer de U$ 0,99, com frete registrado e que a mercadoria ao chegar aqui seja recusada, com certeza vão gastar muito mais que os R$ 15,00 que querem roubar da gente. O porque do frete registrado? É para eles não declararem extravio ou roubo e ficarem com o produto para eles, pois se não houver o registro da devolução basta entrar com ação no juizado federeal. Fica a dica.


  • Tem que ir pra.cima mesmo, se fosse coisa de 2 ou 3 reais tudo bem, mas 15 por encomenda, eu mesmo compro coisa de 10 ou 20 reias, pago uns 4 de frete, ainda tenho que adicionar 15 reais, em certos casos o valor da compra ficaria o dobro por conta dessa taxa absurda.


  • Resumo da explicação:
    - Fi-lo porque qui-lo!
    Desde quando uma estatal monopolista deixa de fazer o que quer? Ela simplesmente faz e o mercado, sem opções, aceita. Melhor que reclamar sem sucesso é encarar esse 'mamute em loja de cristais' e acabar com ele com um tiro chamado privatização, de preferencia com concorrência.
    Divida essa bagaça em 3 e que os compradores concorram entre si.


  • É impressionante como os diretores destas estatais não tem um plano estratégico para estabilizar a empresa. O negócio é chegar, ver o prejuízo e inventar cobranças a mais para os consumidores pagarem a conta. Simples assim.


  • Um absurdo, já temos uma cobrança em Curitiba PR, agora eles querem taxar o que lá não é taxado. E o consumidor só leva prejuízo. Qual foi o órgão do governo federal que autorizou este absurdo?


  • Não vai dar em nada , nos contribuintes estamos ferrados


  • pode vim procon e o diaboa4, não adianta, enquanto o correios for um monopólio eles iram fazer o que bem entender


    • Mas o monopólio do correios é so para cartas. A questão das encomendas é que o país e muito grande e diversas partes as transportadoras nao interessam pelos baixo CxB, estas regiões mesmo que queiramos serão somente atendidas por correios, ou pequenas transportadoras locais. Vide, que se comprar o envio pela DHL internacional, o tratamento é feito integralmente por ela em capitais, mas interior ela costuma enviar (internamente) por correios. INFELIZMENTE privatizar o correios, vai simplesmente acabar com o serviços em muitas regiões, pois nao haverá instituição privada que vá querer trabalhar em áreas de prejuízo, e hoje, usam as áreas de grande movimentação para custear a entrega em áreas de menor rentabilidade...


      • Obrigado! Alguém sensato no meio de tanto "ainn é monopólio" e "privatiza logo"


      • Correios é campeão em processar qualquer outra iniciativa privada que tente corrigir seus erros, não é um monopólio apenas de cartas e sim de entregas em geral, motivo, qualquer outra empresa que tente operar nesse mercado tem que vencer inúmeras burocracias das quais a própria ECT(Correios) está isenta.

        Apenas privatizar os correios não vai resolver mesmo, alem disso é necessário abrir o mercado totalmente, deixar várias empresas diferentes competirem no mercado de encomendas.

        A presença dos correios são a causa, e não o paliativo para a ausência de operação de empresas privadas e entregas em áreas de risco.


      • Nesse caso, meu caro amigo, a autorização de funcionamento da empresa privada deve inclui as áreas de alta rentabilidade e e de baixa rentabilidade no mesmo "pacote". existe N maneiras de se contornar isso, como incentivo fiscal por exemplo.


  • Privatizaram quase tudo menos essa maldição...

Mostrar todos os comentários

Artigos recomendados