Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.
Os smartwatches estão desaparecendo
Opinião 3 min para ler 162 Comentários

Os smartwatches estão desaparecendo

Os smartwatches nunca alcançaram a preferência do usuário. Alguns são mais independentes, enquanto outros dependem totalmente do smartphone para funcionar. O fato é que as fabricantes viram nos relógios inteligentes o "novo mundo", e apostaram fielmente nisso. Porém, números recentes mostram que esse mercado não será tão promissor quanto se parece. Aliás, os números são bem desanimadores, e é importante que você os entenda.

Alguns colegas consideram o smartwatches um fenômeno do passado: o custo/benefício é quase sempre desanimador, o que faz o interesse das pessoas diminuir por um bom tempo. Essa percepção não é apenas particular, visto que os números mostram um cenário nada concreto para os nossos smartphones de pulso.

Os números mostram tendências

Em geral, o processo entre o desenvolvimento e a comercialização de um produto acontece da seguinte maneira: o produto é desenvolvido pelo fabricante que, por sua vez, o envia para fornecedores, depois para montadoras e, ao final, são repassados para o varejo. Com relação aos smartwatches, o número de repasses entre fabricantes e fornecedores diminuiu 51,6% em menos de um ano, passando de 5,6 milhões para 2,7 milhões ao longo de 2016.

Estes números foram levantados pela International Data Corporation (IDC), site americano dedicado à pesquisa de mercado. No artigo podemos ver a nova líder desde mercado de vestível, a Apple, que desde o lançamento do Apple Watch caiu de 70,2% para 41,3% nas vendas (algo em torno de 3,9 milhões para 1,1 milhão). É esperado que a empresa da maçã mordida se recupere um pouco com o recente lançamento do Apple Watch 2, mas os números em si, mesmo para o lado da Apple, não são promissores.

Vestíveis especializados

O universo dos smartwatches é amplo, e pode atingir diferentes tipos de públicos. Isso é um ponto positivo, como também uma característica negativa. Nota-se por exemplo, que a Garmin é a única fabricante nesse setor que apresentou crescimento, de 324%. Isso acontece porque a empresa, diferente de outras marcas, atinge um público específico e que está acostumado com acessórios vestíveis e que possuem funções inteligentes.

androidpit zenwatch 2 asus 4
ZenWatch 2 chegou ao Brasil custando R$ 999,00 / © ANDROIDPIT

A Garmin está mais familiarizada com funções voltadas para a prática de exercícios e atividades físicas, integradas com o GPS, por exemplo. Será que essa é a razão pela qual os usuários estão se interessante pela marca? Pode ser, principalmente porque a maioria dos relógios almejam entregar funções semelhantes.

Mas, isso nos mostra ainda que a preferência por um vestível especializado em determinada função pode ser uma tendência, em vez de relógios multiuso de fazem um pouco de cada coisa.

É preciso mudar o mercado?

Um dos analistas da IDC comentou na pesquisa que "os smartwatches não são um produto para todos". O maior problema deles, e talvez sua maior limitação, é que estes gadgets não vão além daquilo que um smartphone faz. É certo que o relógio pode ser útil em algumas situações, mas nada que dois segundo pegando o celular do bolso ou da mochila não resolva.

Os smartwatches não são para todos

De modo geral, smartphones e smartwatches precisam ter funções diferentes para que o usuário possa distinguir um do outro pois, caso contrário, as fabricantes e os consumidores continuaram em cima do muro. A pesquisa aponta que no momento os gadgets especializados em recursos são as melhores escolhas do momento, como pulseiras fitness, trackers e entre outros.

O que você acha dos smartwatches? Você acha que os preços que temos hoje compensa a escolha pelo produto?

Facebook Twitter 13 Compartilhado

Os comentários favoritos dos leitores

  • Diniz 30/10/2016

    Preço fora do alcance da maioria dos consumidores.

  • John T. 30/10/2016

    verdade eu compraria se custasse uns 400 reais , mas 1,5k para cima de jeito nehum

  • Fernando Souza 30/10/2016

    o grande problema para mim é o preço... São produtos interessantes mas não valem o investimento ao preço que cobram...

  •   77
    Conta desativada 30/10/2016

    O povo sempre reclama do preço. realmente é caro, mas um relógio mecânico bom está no mesmo preço e, além disso, se transformar em dólar não é caro, o que está caro é a relação dólar x real.

  •   77
    Conta desativada 30/10/2016

    O que acontece com o smartwatchs é que eles vieram em um momento onde os mais novos já não usam mais relógio. Outro dia estava em uma palestra com 90 pessoas e descobri que eu era o único com relógio no pulso. Porém, mesmo vendendo 2 ou 3 milhões, esses produtos dão lucro para a Apple, Samsung e etc. Elas vão continuar com esses produtos sim e, quando aperfeiçoarem ainda mais, poderão alcançar esse público que hoje não utiliza. Basta colocar em uma novela da Globo, com os ídolos usando e falando bem, que a coisa vira moda. O público em geral vai sempre com as massas.

162 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.