Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.
É oficial: a Xiaomi está de volta ao Brasil (e trouxe uma Mi Store)
Xiaomi Pocophone F1 Xiaomi Redmi Note 7 4 min para ler 56 Comentários

É oficial: a Xiaomi está de volta ao Brasil (e trouxe uma Mi Store)

Depois de muita movimentação nas redes sociais, eis que a Xiaomi oficializou sua volta ao Brasil. A marca chinesa está de volta com seus smartphones e promete ampliar seu portfólio de produtos para os próximos meses em parceria com a DL Eletrônicos. Saiba os detalhes a seguir.

A Xiaomi está de volta! Dessa vez, a fabricante está desembarcando no país trazendo os melhores aparelhos que são vendidos na China, lançamentos recentes e que atendem diferentes orçamentos.

Mi Store

Dia 1 de junho, a Xiaomi inaugura a primeira loja física do Brasil no Shopping Ibirapuera, em São Paulo. A Mi Store irá disponibilizar todos os produtos anunciados hoje para demonstração. Essa é a primeira loja de um projeto ambicioso de outras unidades que serão abertas em mais estados no futuro. O site mi.com será o canal oficial de vendas online da empresa.

AndroidPIT Xiaomi Shop Barcelona 6628
Mi Store / © AndroidPIT

Remi 7, Redmi Go, Redmi Note 7 e Mi 8 Lite

Os destaques da nova leva de intermediários são o Redmi 7 e o Redmi Note 7, que haviam sido anunciados pela DL há algumas semanas. Ambos os produtos chegam ao varejo físico e online em parceria com lojas estratégicas para a Xiaomi custando R$ 1.300 (R$ 1.500 versão de 64 GB) e R$ 1.699 respectivamente.

Além de trazer dois modelos intermediários, a empresa aposta no segmento de entrada com o Redmi Go, que carrega o Android Go que é uma versão simplificada do sistema para hardware menores. Se trata de um aparelho com o saudoso processador Snapdragon 425, apenas 1 GB de memória RAM e 8 GB de espaço interno. O modelo custa R$ 699.

redmi note 7 01
Redmi Note 7 é destaque entre os lançamentos / © AndroidPIT

Redmi Note 6 e Pocophone F1 continuam à venda

O Pocophone F1 (R$ 3.199) e o Redmi Note 6 (R$ 1.999) continuarão sendo vendidos oficialmente com suporte e garantia da DL através de lojas parceiras da fabricante, como a Ricardo Eletro e agora a Pernambucanas. O Mi 8 Lite também está chegando junto com os demais modelo ao varejo com o preço de R$ 2.700.

Mi 9 por R$ 3.999

Um dos melhores smartphones que a Xiaomi lançou este ano também está chegando ao Brasil, o Mi 9. O carro-chefe da Xiaomi é baseado no mais recente processador da Qualcomm: o poderoso Snapdragon 855. Este chipset dá ao Mi 9 um desempenho de campeão e uma fluidez que vale a pena mencionar. Sua câmera principal tem 48 MP. No varejo, o Mi 9 custará a partir de R$ 3.999 (a depender da variante).

Confira o review completo aqui no site:

Redmi Note 7 e Pocophone F1 com reconhecimento facial

Segundo os executivos da Xiaomi e da Dl que estiveram no evento, as versões brasileiras do Redmi Note 7 e do Pocophone F1 ganharão a função de reconhecimento facial em seus softwares. O recurso estará disponível apenas nos modelos oficiais da marca, que serão atualizados em pouco tempo com essa função através da versão da MIUI adaptada para o mercado brasileiro.

MIUI adaptada ao Brasil com tema escuro

Todos os modelos brasileiros da Xiaomi trazem uma versão melhorada e adaptada da MIUI, totalmente em português e com recursos otimizadas, como o novo tema escuro. Segundo a empresa, o dark Mode da MIUI economiza até 83% de energia em telas pouco iluminadas e pode chegar em 50% para quem usa o painel com brilho mais alto. As últimas novidades sobre MIUI 9 estão no artigo abaixo:

Mi Eletric Scooter, Mi Band 3 e Mi Box

Quem acompanhou as redes sociais da marca nos últimos meses viu que a Xiaomi promoveu inúmeros produtos, além dos tradicionais smartphones, que a empresa vem chamando de "experiências Xiaomi" ou "ecossistema Xiaomi". Há planos de que estes produtos cheguem em breve ao mercado, visto que alguns dispositivos, como a Mi Band 3 e a Mi Box 4, por exemplo, já entraram em processo de homologação com a Anatel.

Segundo a empresa, novos produtos chegarão em breve ao país, como um guarda-chuva inteligente, o aspirador de pó automatizado, uma lâmpada integrada ao Google Assistente e outras opções que fazem parte do portfólio de produtos vestíveis e de casa inteligente. A Xiaomi não revelou o cronograma oficial de lançamento desses produtos.

AndroidPIT Xaomi Mi Band 3 9439
Mi Band 3 homologada, mas sem previsão de venda / © AndroidPIT by Irina Efremova

Os comentários favoritos dos leitores

  • Gato tec-rj há 1 mês

    Olá galera, vejo que muitos de vcs estão reclamando do preço desses aparelhos, então vamos lá, sou universitário de contabilidade, e vou ajudá-los a entender

    A primeira coisa que vcs tem que entender é que os aparelhos da xaomi são importados...
    Incide , os seguintes impostos
    ICMS+IPI+frete+seguro+ II até chegar ao Brasil ela paga caro, isso envolver mão de obra salários dos funcionários e etc. É diferente de vc importar por conta própria

    Se ela fosse fabricar aqui seria ainda pior
    Incidência seria
    Valor do bem
    (+)iPi
    (+)ICMS +frete +seguros na alíquota
    (+)Pis + iPi na alíquota
    (+)COFINS+ IPI na alíquota
    (+)Seguro
    (+) Frete
    (+) Margem de lucro

    É uma conta complicada , quando falarem em custo Brasil, galera ele existe e é real.....

  • Penskemen há 1 mês

    Carambaaa Mi 9 por R$ 3.999 !!! Essa exorbitância de preço só tem uma explicação... Todos aqui no Brasil precisam MAMAR, quero dizer pegar a sua parte no bolo ? Ou seja Fabricante (Xiaomi), Intermediário (DL), Loja vendedora oficial (Ricardo Eletro), Governo Municipal (ISS), Governo Estadual (ICMS),Governo Federal (IPI, PIS, COFINS) ahhh e tem a fatia da Anatel para homologar o aparelho, e oficializar seu EMEI; dái fica a pergunta vale a pena pagar por tudo isso "para ter um aparelho oficial" ???

  • Giordano Santiago há 1 mês

    Sabemos disso. Ou seja, o que nós ainda não assimilamos é que não devemos importar não só xiaomi, mas todas as outras marcas tb. O boicote ao mercado nacional deveria ser gigante. So quando sente no bolso é que o governo toma alguma atitude. Enquanto brasileiro pagar o triplo ou o quadruplo e continuar sorrindo, esse escarnio vai continuar. O remédio é amargo, mas necessário.

56 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Eu tô de olho nesse patinete há décadas, mas receio que o preço não será nada convidativo.


  • não sou muito fã da marca, mas espero que dessa vez seja pra valer, e que venham as outras também, concorrência gera preços melhores e empregos também


  • Eu tô gostando muito de ter um Xiaomi, atualização em dia(Patch mensais),bom desempenho para um intermediário..
    Mas esses preços estão muito inflados, porém o preço pode cair daqui a alguns meses,quando a conta da Xiaomi/DL não fechar,e terem de iniciar a rodada de descontos..


  • Lamentável que o nosso mercado ainda seja tão atrasado a ponto de não permitir que empresas lancem preços realmente mais competitivos. A burocracia brasileira, além da sua alta carga tributária, enfraquecem o livre mercado por estas terras (embora muitas empresas gostem de mamar no Estado). Ainda tenho esperanças de que isso mude, mas sei que não vai ser tão rápido quanto todos nós gostaríamos. A única alternativa que restou para muita gente é continuar importando por conta própria. Lamentável, mas é a nossa realidade.


  • O problema de comprar um smartphone da Xiaomi, Asus ou Huawei fora do Brasil, ou seja, não fabricados para o uso Nacional, é que eles vêm sem suporte a frequência de 700mHz (B28), usada aqui como faixa adicional para o 4.5G pela Vivo, Claro e Tim, em várias cidades. O Pocophone é um bom exemplo que ilustra isso. Paga-se mais barato fora, mas há sacrifícios de desempenho em rede. Além da garantia de 12 meses, claro!


    • Zenfone max pro m1, parece não ter essa banda mesmo, posso estar enganado, ela tem as frequências de 850 pra cima, mas utilizo o 4g sem problemas.


    • Xiaomi Mi Mix 3 Global tem a banda 28 além da 3 e 7.
      A Xiaomi começou a vender muitos dos seus aparelhos com duas versões não só da ROM mas do hardware também. É sempre bom pesquisar antes de comprar pra não ficar sem essa banda extra.
      Claro que o mesmo vale para outras empresas até mesmo Samsung entre outras que vendem aqui.


      • Isso mesmo, vários modelos possuem, pesquisando da pra achar, mas tem alguns como o Pocophone por exemplo que não tem nenhuma versão com 700mHz, o modelo que a DL vende provavelmente deve ter tido alteração, mas só eles vendem.


      • Acho que nem o modelo vendido aqui vai ter a B28 no caso do Pocophone... Mas futuros lançamentos podem ganhar mais suporte para essa banda.


  • Bah, esses preços astronômicos são fora da realidade...
    Ao menos vejo uma pequena luzinha no fim do túnel (ainda que fraca): O governo já sinalizou que depois da reforma da previdência focará na reforma tributária. Vai que os impostos sejam melhor organizados e nosso país se torne mais competitivo...


  • Vou continuar importando... taxas do Brasil são caríssimas e encarecem muitos os aparelhos!! parabéns governo brasileiro!!


  • Continuaremos comprando de fora.

    Que tal se começássemos a comprar tambem de fora outras marcas como as populares que já temos no BR? Ta demorando demais pro brasileiro se ligar que é feito de trouxa (E não pelas fabricantes, diga-se). O custo Brasil é alto demais, e enquanto o governo não sentir no bolso, as coisas não irão mudar. A diferença de preço de um aparelho comprado aqui e um importado é mais de 100%. Ou seja, vale a pena não ter a garantia do aparelho e compra-lo pela metade do preço. Se for muito azarado, compre dois. Assim não corre o risco de ficar sem aparelho e ainda leva o dobro de produtos.


  • Um provável desenrolar disso seria a proibição de envio pro Brasil por parte das grandes varejistas chinesas, como a gearbest. Isso já acontece com smartphones de outras marcas que vendem por aqui.


  • Fico feliz da Xiaomi voltar ao Brasil, precisamos de concorrência mas ao mesmo tempo triste pelos preços surreais de alguns modelos. Eu sei que não é possível no país a Xiaomi vender com o mesmo patamar de preços que vemos lá fora mas achei que poderiam ser um pouco mais em conta.
    O jeito é esperar um pouco pra ver se vamos ter o efeito lançamento nos Mi também, se depois de um tempo começar a baratear até vai ser considerável uma compra nacional com todas as garantias que as pessoas tanto desejam.

    Fico na esperança de ver os roteadores da marca entre outros produtos vindo pra cá.


    • Eu já nem fiquei esperando bons preços. É muito difícil se manter um preço competitivo aqui. A unica vantagem que vejo é a questão da garantia que vai ter os aparelhos, mas tirando isso, na questão de preço, não vejo vantagem.


  • Esse Mi 8 Lite a preço de Mi 9 vai vender muito....
    Kkkkkkkkkk


  • É... Querida Xiomi, desse jeito, com esses preços não vai dar...
    Melhor comprar os celulares nas galerias de SP e aí sim, comprar capas e películas na loja oficial!


  • Olá galera, vejo que muitos de vcs estão reclamando do preço desses aparelhos, então vamos lá, sou universitário de contabilidade, e vou ajudá-los a entender

    A primeira coisa que vcs tem que entender é que os aparelhos da xaomi são importados...
    Incide , os seguintes impostos
    ICMS+IPI+frete+seguro+ II até chegar ao Brasil ela paga caro, isso envolver mão de obra salários dos funcionários e etc. É diferente de vc importar por conta própria

    Se ela fosse fabricar aqui seria ainda pior
    Incidência seria
    Valor do bem
    (+)iPi
    (+)ICMS +frete +seguros na alíquota
    (+)Pis + iPi na alíquota
    (+)COFINS+ IPI na alíquota
    (+)Seguro
    (+) Frete
    (+) Margem de lucro

    É uma conta complicada , quando falarem em custo Brasil, galera ele existe e é real.....


    • Sabemos disso. Ou seja, o que nós ainda não assimilamos é que não devemos importar não só xiaomi, mas todas as outras marcas tb. O boicote ao mercado nacional deveria ser gigante. So quando sente no bolso é que o governo toma alguma atitude. Enquanto brasileiro pagar o triplo ou o quadruplo e continuar sorrindo, esse escarnio vai continuar. O remédio é amargo, mas necessário.


    • Muito sensato seu comentário, o pior que tem muitos sabem que tem mas não se recordam da carga tributaria do Brasil, se forem olhar vão querer importar até comida quando verem a quantidade de imposto que pagam...
      Mas eu acredito que deva diminuir o valor com o passar do tempo, principalmente se a DL quiser manter o catálogo atualizado com os produtos da Mi.


    • A maioria está dando como exemplo pessoa física, mas quem está importando e vendendo é uma pessoa jurídica, e como pessoa jurídica tem basicamente 100% de taxa de importação e impostos, taxa de homologação e conforme o estado ainda vai pagar mais o ICMS, mas também como pessoa jurídica não vai importar de outra loja na china, a DL fez parceira com Xiaomi e portanto os celulares vão sair da fábrica e não terão preço de loja.
      Alguns pontos:
      - o valor na Europa pelo Mi 9 é em torno de 436 dólares em lojas
      - o valor no Paraguai pelo mesmo Mi 9 é em torno de 333 dólares
      - acredito que o valor do Mi 9 na fábrica não deve ultrapassar a 250 dólares.
      - qual foi a matemática feita pela Huawei fez para vender o P30 Pro por R$ 5.400,00 sendo que ele está sendo vendido na Europa por 999 dólares (4 mil reais), se aplicarmos a matemática dos impostos o P30 Pro deveria sair mais de 8 mil reais.
      Sabemos que existem muitos impostos e altos, mas o lucro das empresas no Brasil são um dos maiores


    • Não adianta, todos nós sabemos que há taxas e impostos no Brasil e que são altos. Porém, também é óbvio que se a empresa cresceu no Brasil por importação, foi o custo benefício. Que acaba sendo inexistente quando olhamos para os preços praticados aqui no Brasil. Por isso é bem capaz de deixarem o Brasil novamente.


      • Exato. O fato gerador do sucesso da marca, foi o custo benefício (esse mesmo que levantou a motorola à epoca do Moto G). Retirando este fator, não há como o sucesso se manter. No máximo e na melhor das hipóteses, encontrar uma estabilidade. Crescimento? Sem chance.


  • O pessoal ainda não entendeu qual é a estratégia da Xiaomi com a DL , não é a venda de smartphones, mas sim da febre do momento que são os patinetes elétricos e as TVs 4 K , segmento que eles são muito competitivos .


  • Acredito que se alguém vier a comprar os produtos da Xiaomi/Redmi no Brasil nos revendedores oficiais, só se esta pessoa viver no mundo da lua, não tiver noção de valores ou se se tiver muita grana para gastar, pois em pleno século 21, com todo o acesso a informação que temos atualmente, quem puder compra de outras fontes .... A continuar com esta política de preços abusicos, nem a Xiamo/Redmi, nem a Huawei/Honor não conseguirão emplacar seus produtos em nosso país de economia cambaleante .


  • Gg easy LOL


  • Sinceramente gostaria de ver outros produtos da marca, desde que com preços razoáveis, ao invés de só celulares. Eles têm muitos produtos e conceitos interessante, como até um retrovisor pra carro que roda una versão Android.


  • Seja muito bem vinda, com seus dispositivos ótimos a preços mais em conta, pelo menos, lá fora é assim.


  • Não tem como justificar nenhum preço. Comparando com os celulares oficialmente lançados no Brasil, seus preços estão mais caros para a sua faixa, com exceção do Mi 9, que é um ótimo aparelho, porém abaixo do Galaxy S10e e custando quase o msm preço.
    Mas vai baixar. Não há como se manter assim.


  • Carambaaa Mi 9 por R$ 3.999 !!! Essa exorbitância de preço só tem uma explicação... Todos aqui no Brasil precisam MAMAR, quero dizer pegar a sua parte no bolo ? Ou seja Fabricante (Xiaomi), Intermediário (DL), Loja vendedora oficial (Ricardo Eletro), Governo Municipal (ISS), Governo Estadual (ICMS),Governo Federal (IPI, PIS, COFINS) ahhh e tem a fatia da Anatel para homologar o aparelho, e oficializar seu EMEI; dái fica a pergunta vale a pena pagar por tudo isso "para ter um aparelho oficial" ???


  • Mas será que esses valores não vão diminuir depois do lançamento?? Ou esse valores são fixos???


  • Como a Xiaomi tá vindo, provavelmente terá assistência técnica autorizada.
    Será que quem comprou algum por aqui, que tenha nota fiscal emitida pelo SEFAZ, tudo nos conformes, vai ter direito aos 1 ano de garantia normalmente?


  • Muito bom! Mais um player de peso como opção para os consumidores. E dessa vez como uma versão do software mais adaptada ao mercado nacional, o que nem sempre se encontra adquirindo diretamente da China.


  • Gostaria muito de saber como chegaram ao cálculo de 4 mil para o Mi 9, não vou nem dar como exemplo a Banggod (625 dólares) vou direto no Paraguai 450 dólares isto com todos os impostos pagos e frete obrigatórios pelos lojas no Paraguai, fica em torno de 1800 reais, de 1800 reais para 4000 mil são 2200 este valor não pode ser somente nossos impostos absurdos, tem gente lucrando e muito.


    • Cesar, os impostos sobre importados no Paraguai são muito menores do que no Brasil. Outra coisa, você está levando em conta os 60% de imposto que em teoria teria que pagar ao cruzar a fronteira com o Brasil? Só aí o preço já sobre pra R$ 2.880...


      • Verdade, só tem um problema eu falei em pessoa jurídica e não física, uma pessoa jurídica ou seja uma empresa (loja) não vai importar de outra loja da china, a empresa brasileira vai importar diretamente da Xiaomi (neste caso) portanto um Xiaomi Mi 9 não deve ser vendido por 450 dólares a empresa brasileira já que está sendo vendendi na Europa por 450 dólares, em lojas no Paraguai sai por 333 dólares, mas levei em consideração a comparação com o Huawei P 30 Pro onde na Europa foi lançado e está sendo vendido por 999 dólares ou seja em torno de 4 mil reias e vai ser vendido no Brasil por R$ 5.400,00, R$ 1.400,00 a mais com todos os impostos e frete inclusos.
        Se pegarmos o valor de importação de R$ 4.000,00 mil aplicarmos 60% (como você sugeriu) de impostos de importação, mais mais 40% dos outros impostos, homologação da Anatel de 200 reais e frete, o P30 Pro deveria sair por mais de R$ 8.200,00 ou mais conforme o estado, então qual é a mágica da Huawei para manter um preço competitivo em R$ 5.400,00?


    • Cara, é possível sim. Aqui na terra das bananas, qualquer produto importado tem 60% de juros sobre o valor, além do imposto sobre imposto... Não é tão exorbitante assim não.


  • Ainda esperando pelos TABLETs. Pensando bem, NÃO. Chegariam pelo preço de um IPad. Agora, é torcer pra Xiaomi voltar para o lugar de onde veio. E com esses preços, mal chegou e já vai tarde.


  • Com esses preços a Xiaomi vai acabar fracassando como da última vez, quase ninguém compra um Xiaomi pela marca, e sim pelo Custo x Beneficio, que se arruinou aqui no Brasil.


  • Mi 9 por 3.999...


  • Preços totalmente fora da realidade. Pernambucanas está aproveitando do hype da xiaomi aqui no país, por mim encalharia nas prateleiras


  • É.....por estes preços bye bye Xiaomi Brasil , não tem custo Brasil que explique estes preços , é ganância mesmo


  • R$ 2.900,00?? Caralho, paguei R$ 1.250,00!!! Aí ta fueda!!!


  • Tem que ser bem bobão pra pagar um preço desses num Xiaomi da vida.


    • Bem, se tem uma legião que paga o dobro disso em um iPhone, não será tão difícil encontrar os que vão topar pagar esse absurdo.


  • R$2.700 no Mi 8 Lite? Galaxy S9 mais celular por esse valor


  • Maravilha! Good news!