Nós usamos cookies em nossos sites. Informações sobre cookies e sobre como você pode se opor ao uso de cookies a qualquer momento, ou encerrar seu uso, podem ser encontradas em Política de Privacidade.

Não tem mais como eu comprar smartphone no lançamento!

Não tem mais como eu comprar smartphone no lançamento!

Já falei muito por aqui sobre a compra de smartphones no lançamento, mas sempre na linha de raciocínio do preço, que cai depois, e também dos problemas que aparecerem logo nos primeiros dias e dos quais você pode fugir. Mas, com tantos lançamentos, um atrás do outro, como se manter em dia?

Há pouco menos de dois anos, um tempo gigante para a tecnologia, muitos reclamaram da estratégia da Sony ao lançar um topo de linha novo a cada seis meses. Porém, ao invés de vermos uma diminuição nesse padrão, ele aumentou e segue em velocidade.

AndroidPIT Xiaomi Mi MIX 2S 5143
Xiaomi Mi Mix 2S / © AndroidPIT by Irina Efremova

Uma mudadinha no nome

Já estávamos acostumados a uma inundação de produtos intermediários e de entrada, com denominações como Plus, Stylus, Prime, Gran, entre outros. Mas os topo de linha vinham passando ilesos por essa moda prejudicial. Não mais.

Algumas fabricantes até mudam de geração, como a linha XZ da Sony, mas outros, como a Xiaomi e a OnePlus, apenas lançam “novas versões”, sendo o caso do Mi Mix 2 e Mi Mix 2S e OnePlus 6 e 6T. Essa última, aliás, já faz isso há algum tempo.

São nomes ligeiramente diferentes para manterem seu apelo de marca, e ao mesmo tempo adicionados de algo para que despertem curiosidade de compra. O que eles têm de novo?

O que está justificando os lançamentos?

O que esperávamos a cada ano, em eventos com meses demarcados ou em feiras conhecidas, já ocorre ao menos semestralmente. Veja alguns exemplos:

E eu citei apenas os topos de linha, sendo que poderíamos incluir aí também os famosos Moto G5 e Moto G5S com suas variantes Plus. Mas algo realmente muda para justificar um novo lançamento, mudanças de campanhas de marketing, obsolescência do modelo anterior?

Pegando o exemplo da Sony, do XZ2 para o XZ3 o processador, a RAM, a rede e muito mais se manteve. As diferenças ficam para o design, a tecnologia da tela e a câmera frontal. É justificável?

AndroidPIT OnePlus 6 8032
OnePlus 6 / © AndroidPIT by Irina Efremova

No Mi Mix, do 2 para o 2S, um pouco mais mudou, como o Snapdragon presente, materiais, redes e alguns detalhes nas câmeras. Mas justifica serem lançados com apenas 7 meses de diferença? Por que não esperar mais alguns meses e apresentar mais inovação?

O OnePlus 6T que vem por aí traz um notch menor, sensor biométrico abaixo da tela e outros extras. Custava lançar logo o mais completo e baratear seu preço com maior demanda? A verdade é que essa é uma corrida louca para estar sempre no topo da lista de compras do consumidor, eu e você. E, mais verdade ainda, eles fazem isso porque muitos realmente ficam sedentos por inovação a cada mês.

Como se manter atualizado?

Nessa enxurrada de lançamentos, como se manter atualizado? Muitos compram um smartphone assim que ele sai por status, para ter sempre o mais novo, para estar em dia com a tecnologia. Muitos juntam um dinheiro suado para estar com o melhor. Com lançamentos a cada 5 meses, isso tudo acaba sendo frustrante.

Além disso, quanto mais aparelhos chegando, menos as fabricantes se comprometerão com atualizações. Ainda temos bons exemplos da Xiaomi, da Sony, da OnePlus, mas por quanto tempo elas conseguirão manter tudo em dia?

AndroidPIT sony xperia xz3 back red
Sony Xperia XZ3 / © AndroidPIT

E por quanto tempo conseguirão manter a correria de lançamentos tão próximos sem um defeito sério como o do Galaxy Note 7, que teve problemas de prancheta e projeto, mesmo lançado em seu tempo normal? Nem vou entrar no assunto do lixo eletrônico.

A única solução, a meu ver, acaba sendo esperar o lançamento passar, aguardar seu preço abaixar, ver se ele realmente vale a pena e aí sim efetuar uma compra boa. E mesmo isso pode não funcionar, pois em alguns casos você não encontra mais o aparelho que queria na loja (caso dos OnePlus) ou espera tempo demais para que ele chegue.

E você, qual a sua solução para evitar os problemas do excesso de lançamentos?

ÚLTIMOS ARTIGOS

Artigos recomendados

Os comentários favoritos dos leitores

  • Paulo Ricardo 05/09/2018

    As empresas poderiam até lançar um aparelho por mês que não importaria se o público tivesse auto-controle, menos impulso por consumo fútil e mais educação financeira pra não gastar mais do que pode pagar.
    A verdade é que qualquer aparelho topo de linha continua sendo excelente em suas funções por uns 3 anos ou mais, porém o público é facilmente manipulado por marketing e por coisas velhas maquiadas e renomeadas como novidade.
    As empresas sabem do descontrole do público e sua necessidade por qualquer coisa que dê status e apostam nisso.
    Quando se diz que o mercado se auto-regula, significa na verdade: "O público consumidor regula as ações das empresas", mas infelizmente o público se deixou ser dominado por sua falta de vontade em buscar informações e por sua ânsia consumista.

  • Vinicius Guerra 05/09/2018

    As pessoas precisam entender exatamente isso, comprar qualquer produto em lançamento é fria. Outro dia vi no canal do Dr Reclama, um rapaz bravo por ter pago mais de R$4.000,00 num S9, ou seja, comprou no lançamento e de brinde veio com um lote com defeito. Ficou no prejuízo por enquanto. Tem que ter cuidado, parar de ser afoito, sempre comento isso também, dinheiro não dá em árvore, já dizia vovó. Eu quando compro qualquer produto, de parafuso até carro, sei como negociar um preço, não podemos aceitar tudo o qual é imposto por uma empresa.

    Não é brincadeira não, o que já vi de pessoas reclamando, comprando errado e depois xingando a empresa, inclusive amigos e parentes, não está no mapa.

    Regra básica, pergunte para você mesmo, eu preciso gastar R$4.000,00 num S9 sabendo que tenho um S7 ou S8 que supre as minhas necessidades? Por que não esperar o momento certo, ou alguns anos, juntar um dinheiro e ai sim, realizar a compra?

    Um bem durável, como o nome já diz, vai durar no mínimo uns 3 anos ou mais, se a pessoa for cuidadosa. Já tive um Nokia antigo, celular, durou 12 anos com a bateria ainda impecável, pode isso? Temos que ter mais consciência das coisas, se você deseja comprar um Mercedes, vai lá e compre, ai depois, paga-se uma grana violenta, pois a '' emoção '', empolgação passa, ai o indivíduo coloca N problemas no carro. O mesmo, insatisfeito, pensa em comprar um Jaguar, e por ai vai, fica um ciclo vicioso sem fim, a grana, a pessoa se mata de trabalhar, faz uma dívida monstro, deve o pai, o tio, o amigo, o banco, mas está lá com o carrão dele, tendo que arcar com a prestação, que não cabe no bolso.

    Pesquise, tenha consciência das coisas, se você tem dinheiro, pode pagar R$5.000,00 como se fosse uma coxinha, vai lá, faça isso, mas faça ao menos a escolha certa, assertiva, ficar trocando toda hora, é rasgar dinheiro, é fazer um péssimo negócio, afinal, isso é supérfluo. Quer investir? compra um terreno, um imóvel, economize, pois no final, sempre vai sobrar dinheiro, para passear, viajar, ir a um restaurante, ou seja, viva a sua vida, da melhor forma possível com responsabilidade sem ostentar algo que não possa pagar.

    Se ainda assim, quiser ter um produto caro, guarde o dinheiro, aproveite a oportunidade, mas saiba pechinchar também, não tenha vergonha de comprar um smartphone seminovo ou carro por exemplo, aliás, eu mesmo, só compro carro seminovo, já economizei nessa brincadeira mais de R$15.000,00, sabendo que carro 0 KM paga-se frete, emplacamento, IPVA, seguro, tudo mais caro. Portanto, lembre-se, ninguém precisa de um Rolex para se exibir por ai, mas tendo a mínima noção das coisas, da vida, você mesmo pode ter um belo bem na sua mão, mas com classe e principalmente dizer para você próprio, está pago, graças a Deus, não devo nada!

    Pense nisso, faça uma reflexão!

  • Marcelo Enrico Franceschini 05/09/2018

    Exatamente. Eu tenho para uso pessoal um bom e velho Motorola Moto X2 e uso a 4 anos. Nesse meio tempo apenas troquei a bateria. Como ainda é o Marshmallow sei que logo mais muitos apps nao funcionarão corretamente. Mas até ai são 4 anos de uso initerrupto (ainda tenho um moto X de 2013 funcionando para backup. Ano que vem eu troco, mas lançamento e pagar mais de 2000, eu prefiro investir em outras coisas, como um notebook ou no meu pc. As pessoas se matam para pagar 5..6mil, besteira.

  • Rafael Nunes 05/09/2018

    O Brasileiro em geral paga hoje um preço pelo que não tivemos em nossas escolas quando pequeno. Nunca estudamos economia em nossas escolas, não só isso como aulas de comunicação, oratória e leitura, empreendedorismo. Coisas essas que deveriam ser ensinadas desde o primário. O Brasileiro hoje não sabe gastar seu dinheiro. Fato esse que mostra o numero de pessoas endividadas atualmente.

    Juntando isso e o fato de o povo brasileiro ainda querer espelhar sua cultura aos países de fora, vivemos hoje essa corrida para conseguir coisas fúteis apenas por aparência. Sim, grande parte ainda busca apenas aparência. Brasileiro ainda cai em Black Friday aqui, ridículo isso.

    Não é a toa que para as empresas comercializarem seus produtos aqui ainda é um bom negócio, mesmo sendo caro, porque o brasileiro não se importa em pagar o que for apenas para ter um produto.

51 Comentários

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.
Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.

  • Eu depois de algumas experiências decidi não mais comprar nenhum aparelho recém lançado. No mínimo eu daria um prazo de 3 a 4 meses. Tempo suficiente pro valor já ter uma queda considerável e para conhecimento e talvez correções de possíveis bugs.
    Comprar aparelho recém lançado justificava-se há alguns anos que realmente tinha um salto considerável de melhorias de um modelo pro outro. Hoje a diferença além de ser pouca os aparelhos de pelo menos um ano (claro, entre os intermediários avançados e premium e topos de linha) ainda dão conta do recado perfeitamente e quase todos eles ainda recebem pelo menos as atualizações de segurança.


  • Nunca tive essa condição. Então, segue-se o jogo.


  • Tenho que me contentar com o que tenho pq estou pagando ainda a bagatela de 1300, por um aparelho de 2017, triste esse Brasil nosso que tudo é caroo


  • Pra falar a verdade, lançamentos não ficaram desinteressantes somente no preço. Para mim, a "unificação do design" (bezel-less com frente preta e notch opcional) e especificações exageradas sem aprimoramentos onde de fato precisa (ninguém necessita de 6Gb ou 8Gb de memória RAM num celular, isso é supérfluo! O que se gasta nisso seria muito melhor investido numa bateria mais confiável ou numa carcaça menos frágil) me dizem que trocar de celular no futuro vai ser um inferno. Isso sem contar que até o software involuiu: a Google vem removendo features no Android desde a 5.0, "in the sake of security", como se segurança fosse sempre mandatório, o aspecto mais importante, até mesmo sob o custo de remover funções, esquecendo que muitas dessas features, que afetam principalmente a personalização, são o motivo de muitos preferirem um Android ao invés de um iDevice.
    O S7, ao que tudo indica, deve ser meu último celular com o sistema da Google. Depois disso... quem sabe olhe com carinho para o meu velho Nokia 5130...


  • Um dia o pessoal vai se cansar disso... Vão sacar que não precisam de um top de linha... pelo menos a maioria esmagadora das pessoas não precisa... Quem quer top de linha é blogueiro e leitor de blogs... rss


  • Concordo, fica difícil mesmo! Stella, gostaria de ver um comparativo hands on do Zenfone 5Z 64gb X Galaxy S8 64gb, pois os valores são parecidos e o uso do dia a dia como fica?


  • quem é que realmente precisa comprar algo no lançamento?

    Eu só agradeço aos early adopters sempre. valeu galera.


  • Preciso discordar VEEMENTEMENTE de quem reclama da Oneplus lançar 2 aparelhos/ano sendo que Samsung, Motorola, Lenovo, Asus e ate a Xiaomi, fazem 15 versões de cada aparelho que lançam, dos low ao hi end.

    A Oneplus lança "apenas" 2 hi-end/ano (porra Samsung!) com atualizações consideráveis - Por exemplo: não compensa sair do Op5 pro 5T, ja que os updates não sao taaaao novos assim... mas adquirir uma versão 'T' diretamente, saindo de outra marca, sim vale mto a pena.


  • lançar 2 smartphones por ano já é sacanagem assim como a Oneplus faz....


  • A pergunta que fica é, o que dá para comprar no Brasil?


    • Depende. Eu prefiro comprar no Brasil para ter direito à garantia, assistência, ter onde reclamar caso dêe algum bode, agilidade na entrega e não ter dor de cabeça com taxação na alfândega, que muitas acaba matando o CxB de determinado aparelho. Além disso, aqui no Brasil tem boas opções, mesmo que com o preço um pouco mais caro. Para quem pode abrir mão dos fatores citados anteriormente, pode ser mais vantagem importar.


    • Existem pros e contras. Mas o 'contra' que mais pesa e que realmente nao há ABSOLUTAMENTE NADA que tenha um preço justo aqui, e isso é desolador.


  • Penso que se as empresas trabalhassem mais um mesmo aparelho por mais tempo não haveria perda de faturamento... um dos motivos é o fato de que muitas pessoas esperam algum tempo após os lançamento pra fazer a compra de um aparelho. E sendo esse aparelho o carro chefe por mais tempo, ele também seria vendido durante mais tempo.
    Com isso teríamos melhor suporte em modo geral para um mesmo produto.
    Acho interessante variações no mesmo produto como cores. Por exemplo, ao invés de lançar um novo galaxy, façam uma cor diferente 6 meses depois de lançado, ou, criem conteudos personalizáveis de tempo em tempo pra atrair consumidores, ao mesmo tempo que mantem frescor àqueles que já possuem um dispositivo.


    • Super de acordo, Giordano

      O problema é que, quando uma empresa vende um mesmo modelo por mais tempo, ele vai deixando de ser novidade. Chega o do concorrente, a loja bota mais banners da novidade e o da sua empresa, por mais bacana que seja, vai ficando sem espaço. E cada vez chegam mais novidades. Uma solução bizarra pra isso é enfiar 5 topos de linha por mês nas lojas, assim é sempre um destaque.

      A ideia das cores que você sugeriu, ou o conteúdo extra, são bem bacanas e são um caminho. Só que não parece ser a escolha deles, infelizmente.


  • O Brasileiro em geral paga hoje um preço pelo que não tivemos em nossas escolas quando pequeno. Nunca estudamos economia em nossas escolas, não só isso como aulas de comunicação, oratória e leitura, empreendedorismo. Coisas essas que deveriam ser ensinadas desde o primário. O Brasileiro hoje não sabe gastar seu dinheiro. Fato esse que mostra o numero de pessoas endividadas atualmente.

    Juntando isso e o fato de o povo brasileiro ainda querer espelhar sua cultura aos países de fora, vivemos hoje essa corrida para conseguir coisas fúteis apenas por aparência. Sim, grande parte ainda busca apenas aparência. Brasileiro ainda cai em Black Friday aqui, ridículo isso.

    Não é a toa que para as empresas comercializarem seus produtos aqui ainda é um bom negócio, mesmo sendo caro, porque o brasileiro não se importa em pagar o que for apenas para ter um produto.


    • Concordo, mas esse é um problema mundial. Brasil não é o mercado principal de Xiaomi, Sony, OnePlus e tantas outras, mas elas fazem isso também para seus mercados. China, Índia, Estados Unidos...


    • Concordo. Porém, não temos como comparar, por exemplo, os EUA (e a cultura deles) com a nossa. Lá é mais barato porque há MUITA concorrência. Aqui não. No site da Amazon US, há 40 marcas vendendo TV´s e competindo entre si pelo consumidor e, aqui, não passam de 4 ou 5 (sendo que destas, só 3 prestam). Portanto, não é só cultural (mas também é!) mas, infelizmente, por falta de opção (ou paga caro, ou não tem).

      Mas concordo com tudo - especialmente o ato de se endividar para criar aparências.


  • Agora que fomos chegar a essa conclusão?


  • As pessoas precisam entender exatamente isso, comprar qualquer produto em lançamento é fria. Outro dia vi no canal do Dr Reclama, um rapaz bravo por ter pago mais de R$4.000,00 num S9, ou seja, comprou no lançamento e de brinde veio com um lote com defeito. Ficou no prejuízo por enquanto. Tem que ter cuidado, parar de ser afoito, sempre comento isso também, dinheiro não dá em árvore, já dizia vovó. Eu quando compro qualquer produto, de parafuso até carro, sei como negociar um preço, não podemos aceitar tudo o qual é imposto por uma empresa.

    Não é brincadeira não, o que já vi de pessoas reclamando, comprando errado e depois xingando a empresa, inclusive amigos e parentes, não está no mapa.

    Regra básica, pergunte para você mesmo, eu preciso gastar R$4.000,00 num S9 sabendo que tenho um S7 ou S8 que supre as minhas necessidades? Por que não esperar o momento certo, ou alguns anos, juntar um dinheiro e ai sim, realizar a compra?

    Um bem durável, como o nome já diz, vai durar no mínimo uns 3 anos ou mais, se a pessoa for cuidadosa. Já tive um Nokia antigo, celular, durou 12 anos com a bateria ainda impecável, pode isso? Temos que ter mais consciência das coisas, se você deseja comprar um Mercedes, vai lá e compre, ai depois, paga-se uma grana violenta, pois a '' emoção '', empolgação passa, ai o indivíduo coloca N problemas no carro. O mesmo, insatisfeito, pensa em comprar um Jaguar, e por ai vai, fica um ciclo vicioso sem fim, a grana, a pessoa se mata de trabalhar, faz uma dívida monstro, deve o pai, o tio, o amigo, o banco, mas está lá com o carrão dele, tendo que arcar com a prestação, que não cabe no bolso.

    Pesquise, tenha consciência das coisas, se você tem dinheiro, pode pagar R$5.000,00 como se fosse uma coxinha, vai lá, faça isso, mas faça ao menos a escolha certa, assertiva, ficar trocando toda hora, é rasgar dinheiro, é fazer um péssimo negócio, afinal, isso é supérfluo. Quer investir? compra um terreno, um imóvel, economize, pois no final, sempre vai sobrar dinheiro, para passear, viajar, ir a um restaurante, ou seja, viva a sua vida, da melhor forma possível com responsabilidade sem ostentar algo que não possa pagar.

    Se ainda assim, quiser ter um produto caro, guarde o dinheiro, aproveite a oportunidade, mas saiba pechinchar também, não tenha vergonha de comprar um smartphone seminovo ou carro por exemplo, aliás, eu mesmo, só compro carro seminovo, já economizei nessa brincadeira mais de R$15.000,00, sabendo que carro 0 KM paga-se frete, emplacamento, IPVA, seguro, tudo mais caro. Portanto, lembre-se, ninguém precisa de um Rolex para se exibir por ai, mas tendo a mínima noção das coisas, da vida, você mesmo pode ter um belo bem na sua mão, mas com classe e principalmente dizer para você próprio, está pago, graças a Deus, não devo nada!

    Pense nisso, faça uma reflexão!


    •   35
      Conta desativada 05/09/2018 Link para o comentário

      Você, caro Vinícius, faz parte de uma esmagadora minoria em nosso país, infelizmente. Eu por exemplo, já fui gastão e aprendi a valorizar meu dinheiro. Tenho condições de comprar um celular melhor mas observei que um celular de até 1000 reais atende minhas exigências. Leituras sobre 'vida frugal' e 'simplicidade voluntária' mudaram drasticamente meu modo de ver a vida em todos os apectos.

      Faz tempo que não leio um comentário tão grande (kkkkk). Parabéns por ele, ficaram muitas lições.

      E, por fim, te pergunto: és economista?


      • Obrigado Eduardo, mas desde pequeno, sempre tive uma educação financeira sempre austera, vovó me dava o dinheiro e falava, '' confere o troco certinho ''. Meu pai, é pior que eu, mais rigoroso ainda, nem smartphone ele tem, não liga para isso. Ele mesmo só compra algo se couber no orçamento dele, pechinchando, lembro ainda em 2003, ele negociando a compra de um carro com o vendedor em mais ou menos uma hora e eu ali louco, para poder dirigir o carro. E ele me dizendo, '' calma, tem que saber negociar, o negócio tem que ser bom para todos ''.

        Conversa vai, conversa vem, demorou quase 5 horas, mas ele comprou aquele carro, dobrou o vendedor e o gerente. Fui crescendo assim, nunca fui rico, mas graças a Deus, nunca me faltou nada, pois a gente precisa dar valor as coisas conquistadas com luta, com suor, e desde pequeno, tive essa educação realmente.

        Não sou formado como economista, apenas como administrador, mas de tantas cacetadas da vida, aprendemos com o tempo a viver melhor. Sou uma espécie de Silvio Santos, mas formado, sem dinheiro dele claro, mas brigo mesmo por cada centavo, e se a loja não me der desconto não compro. Nem que seja 5%, mas sabendo discutir preço, dá para conseguir. Só não podemos é aceitarmos, pagar tudo, o qual é imposto ou seja colocado, sabendo que um produto, paga-se imposto, mas nenhum comerciante fica no prejuízo, por isso, é importante pechinchar mesmo.


    • Cara, você, assim como eu e outras pessoas que conheço, pensa como um Economista! (Estudo Economia no caso) e faço das suas palavras as minhas! E digo mais: Isso vale para qualquer bem, durável ou não, deve-se pensar a real necessidade do gasto, como você mesmo mencionou, e por quanto tempo esse produto aguentaria, no caso citado aqui o celular. Vou te dizer, tenho um Moto X4 comprado há quase um ano, e por discuido meu o vidro da câmera quebrou, entretanto não vou trocar tão cedo, pois não afetou a qualidade das fotos, e o celular me atende superbem! Tenho outras prioridades de gasto, como contas de casa, alimentação, estudo e ferramentas de trabalho, o que me ajuda em tudo isso é a faculdade ser "gratuita" (UFMG), porque senão fosse isso eu não teria condições! Belo texto! E FRIZANDO NOVAMENTE: Faz-se necessário pensar em tudo que se vai comprar atualmente, pois as coisas hoje são fabricadas para estragarem a curto prazo.


  • O avanço tecnológico jamais vai mudar, sempre foi assim e sempe sera, o que importa nisso tudo é saber qual equipamento te satisfaz independente de marcas, como diz o ditado quem não tem cão caça com gato, os miaus da Xiaomi estão igual tsunami...Pocophone, Mi 8, MI A2, Redmi matando os ratos sem misericórdia.


    • Mas a Xiaomi também está inundando o mercado de lançamentos.


      • Que lance mais ainda, hoje tudo esta igual, apenas cópias de cópias, o mais importante é o sistema e as atualizações, qualquer celular de 300 euros atende muitíssimo bem qualquer pessoa, nessa faixa de preço é que esta a mina de ouro das empresas, ai mora a obsolescência, os planos de dados, a demanda a infra-estrutura, a solidez da empresa e lucro, mais da metade que um iPhone tem dentro dele pertence a outras empresas por isso ele é caro, é exatamene nessa margem que a Apple sempre trabalhou 1/3 do sálario das massas, o restante as pessoas pagam por usar o símbolo da maçã estampado que é o custo de produção terceirizada dela, a declaração do CEO da Xiaomi em não ter intençao de lançar um ceular de $700 é justamente isso, e ele esta completamente certo.


  • E você, qual a sua solução para evitar os problemas do excesso de lançamentos?
    Não comprarem mais, principalmente se determinada fabricante tem uma cronologia de lançamentos quase previsíveis.


  • Como deixar o Launcher do Mi Mix 2S igual esse da foto? parece um Pixel, achei muito interessante.


  • O smartphone que eu comprei mais próximo do lançamento foi um Lumia 535 e ainda foi uns 2 meses depois. Preços de lançamento são sempre um absurdo, mas as fabricantes tão perdendo o senso do ridículo. Samsung até que se segurou um pouco mas chegou e ultrapassou os 6000. Espero que a Asus consiga dar um bom exemplo.


  • Peguei um Mi A2 no lançamento. 1,200 por Snap 660, Android one, tela 18:9 e bateria monstra... já falei das câmeras de 20mp? Valeu a pena demais.


  • Troco geração sim e outra não, tem sido assim. E pelo menos 2 meses pós lançamento, mas não pelo preço, que não costuma cair (mesmo após 10 meses) como os da Samsung e LG, mas sim para não pegar os lotes iniciais e seus esperados problemas.


  • Troco todo ano para evitar desvalorização grande, vendo 1 e já pago o outro. Então estou me mantendo com celulares top de linhas sem gastar 1 centavo!
    Comprei o Mi 8 e estou revendendo meu OP5, sem gastar nada. Decidi não mais comprar celulares no Brasil, visto que posso comprar na china em si, o que me dá um belo desconto e me faz fugir das lojas que dão facada no consumidor!


  • Na realidade o mercado global de smartphones está saturado , está avalanche de lançamentos é uma estratégia para tentar manter os consumidores ávidos por pseudo novidades, na minha opinião uma troca a cada 2 anos é mais do que o suficiente para as minhas necessidades , estou saindo de um One plus 3 T para um Pocophone, é só pretendo mudar novamente em 2020.


  • Nunca comprei nada no lançamento. E, convenhamos, em se tratando de produtos tão caros e que nem sempre chegam às lojas totalmente acertados, é até melhor "dar um tempo". Se perdemos a corrida do novidade, ganhamos a da segurança, e por preços mais honestos, o que é muito importante!


  • As empresas poderiam até lançar um aparelho por mês que não importaria se o público tivesse auto-controle, menos impulso por consumo fútil e mais educação financeira pra não gastar mais do que pode pagar.
    A verdade é que qualquer aparelho topo de linha continua sendo excelente em suas funções por uns 3 anos ou mais, porém o público é facilmente manipulado por marketing e por coisas velhas maquiadas e renomeadas como novidade.
    As empresas sabem do descontrole do público e sua necessidade por qualquer coisa que dê status e apostam nisso.
    Quando se diz que o mercado se auto-regula, significa na verdade: "O público consumidor regula as ações das empresas", mas infelizmente o público se deixou ser dominado por sua falta de vontade em buscar informações e por sua ânsia consumista.


    • Perfeito o comentário!!!!


    • Exatamente. Eu tenho para uso pessoal um bom e velho Motorola Moto X2 e uso a 4 anos. Nesse meio tempo apenas troquei a bateria. Como ainda é o Marshmallow sei que logo mais muitos apps nao funcionarão corretamente. Mas até ai são 4 anos de uso initerrupto (ainda tenho um moto X de 2013 funcionando para backup. Ano que vem eu troco, mas lançamento e pagar mais de 2000, eu prefiro investir em outras coisas, como um notebook ou no meu pc. As pessoas se matam para pagar 5..6mil, besteira.


    • Exatamente. Eu não tenho dinheiro pra ficar comprando um aparelho após o outro. Então, compro um que satisfaça minhas necessidades por um bom tempo. Quando não estiver mais nessa condição, e se eu tiver disponibilidade de comprar outro, compro, do contrário me mantenho com o mesmo por mais tempo. Acreditem não é algo tão difícil de se fazer kkkkkk kkkkkk


    • O livro PAI RICO, PAI POBRE sempre será uma leitura obrigatória, as pessoas passam a vida inteira acumulando passivos e na corrida dos ratos..


    • Excelente comentário, reflete exatamente o que muito precisam ouvir, inclusive muitos membros do próprio Androidpit.

      Cerca de um ano atrás, desanimado com os preços, comprei um Moto G4 (pouco mais de R$ 600,00, parcelado, no ML). Boa tela Full HD, Snapdragon 617, carregamento turbo e Custom ROM, funcionando perfeitamente até agora.

      Mês passado, sobrou uma grana, comecei me coçar para trocar de aparelho pensando em curtir uns jogos mais elaborados e tal... Mas pagar R$ 1.600,00, R$ 1.800,00 em um "intermediário avançado" é um absurdo para mim. Então comprei um Xbox One S e alguns jogos, melhor coisa que fiz kkk


    • É exatamente isso, Paulo


    • Pior que é assim mesmo tão lançando celular direto com notch, inteligência artificial processadores melhores câmeras melhores mas isso tem um preço alto a se pagar vc compra um hoje daqui dois meses lançam um melhor que seu modelo entre aspas, eu comprei um modesto moto g5s plus 3meses de uso só e já lançou um monte de modelos já eh foda infelizmente não dá pra acompanhar essas tendências


  • Realmente, está ficando complexo. Eu particularmente, estou trocando de dois em dois anos, por que não fica tão oneroso e se tem melhorias significativas, além do preço que fica mais baixo, caso opite por produto nacional.


  • EU acredito que isso vá ser um tiro no pé e com o tempo as vendas vão cair drasticamente. Com a evolução dos aparelhos, as pessoas não estão trocando de smartphone assim tão rápido. Eu mesmo tenho o meu a um pouco mais de 2 anos. Vamos ver quanto tempo essa estratégia se sustenta.


  • Os preços cobrados em lançamentos é pras empresas conseguirem arrecadar com as vendas um lucro em média de 60% há mais do que o smartphone realmente vale no mercado (custos operacionais). Depois disso eles passam a fazer parceria com varejistas pra eles venderem por menos do que a fabricante cobra no site ou loja oficial pra assim conseguirem arrecadar uma maior movimentação de vendas. Pra se ter uma ideia a empresa Porto Seguro Cartões fez parceria com a Samsung e já está vendendo Note 9 por 3.599,00. Sendo que ele acaba de ser lançado por 5.499,00. Daí você já tira o custo que o consumidor paga em lançamento.


  • "E você, qual a sua solução para evitar os problemas do excesso de lançamentos?" - Pesquisar bastante e escolher um smartphone que atenda às minhas necessidades e condições financeiras.

Escreva um comentário:
Todas as mudanças foram salvas. Não há rascunhos salvos no seu aparelho.